Páginas

4.4.17

Na Cassi, Atenção Integral é baseada na ESF/CliniCassi e programas de saúde





Olá prezad@s associados, participantes e companheir@s de lutas,


Publicamos hoje no site da nossa Cassi (veja abaixo) uma matéria explicando a importância dos programas de saúde no Modelo de Atenção Integral e Estratégia Saúde da Família (ESF).

Nossa autogestão em saúde tem números respeitáveis ao considerarmos que cuidamos de mais de 700 mil participantes e temos mais de 182 mil vidas cadastradas na ESF em todo o Brasil.

Os associados da comunidade Banco do Brasil têm uma entidade que pode e deve ser referência para todo o setor de saúde suplementar brasileiro. 

Entendo, inclusive, que o papel da Cassi numa eventual participação na direção nacional da Unidas (União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde) deva ser justamente o de influenciar e contribuir para a reorganização do sistema de saúde das autogestões com base em modelos integrais, com atenção primária, saúde da família, acompanhamento de crônicos, com melhor uso da rede prestadora para as demandas que exigem maiores tecnologias e estruturas.

Meu papel como Diretor de Saúde e Rede de Atendimento da Caixa de Assistência, eleito pelos associados, é defender o modelo assistencial Cassi, é defender os direitos dos associados, é lutar por mais investimentos na ampliação da cobertura da promoção de saúde e prevenção de doenças.

Eu poderia resumir os direitos dos associados que representamos em 4 eixos: 

- direitos em custeio mutualista solidário intergeracional e com participação estatutária do patrão (BB); 

- direitos em coberturas assistenciais, o que inclui além do Rol da ANS todas as conquistas incluídas no modelo baseado na Atenção Primária em Saúde (APS) e ESF/CliniCassi, com programas de saúde para públicos com necessidades específicas de cuidados; 

- direitos em participação social e democracia, pois temos poder de interferência na gestão (elegemos a metade) e votamos, além de termos a fantástica contribuição voluntária dos Conselhos de Usuários, e por fim;

- os direitos no poder da Governança da Cassi. Se perdermos poder na governança, perdemos em cascata os outros direitos que abordei.

Vamos passar por um processo de consultoria em 2017 e tenho pedido que todos acompanhem os debates porque há riscos de perdas de direitos, de todos os eixos que citei acima.

É isso, leiam a matéria abaixo sobre os programas de saúde da Cassi. Eles são conquistas dos associados.

Abraços,

William Mendes
Diretor de Saúde e Rede de Atendimento (mandato 2014/18)



(reprodução de matéria)

Programas da Cassi auxiliam no planejamento dos cuidados em saúde

Publicado em: 04/04/2017 (com uma atualização do site da Cassi feita em 05/04/17)


Já pensou em contar com atenção planejada para seu bem-estar? Os programas de saúde da Cassi podem auxiliar. Ao ser cadastrado em um deles, o participante passa a ser cuidado sob a ótica de ações especialmente desenvolvidas para o controle dos riscos e manutenção da qualidade de vida.

Atualmente a Cassi conta com um conjunto de orientações específicas para cada faixa etária, denominado Cuidado Periódico de Saúde e com sete programas de saúde para diferentes públicos: Viva Coração, Saúde Mental, Gerenciamento de Condições Crônicas (GCC), Plena Idade, Atenção à Pessoa com Deficiência (Bem Viver), Atenção Domiciliar (PAD) e Assistência Farmacêutica (PAF).

Considerando o histórico, laudos de especialistas, relatórios, resultados de exames e levando em conta as necessidades de coordenação de cuidados, o participante é cadastrado em um dos modelos por um profissional da Estratégia Saúde da Família (ESF) e passa a ser beneficiado com assistência específica.

Os programas da Cassi objetivam a oferta de serviços em prol da recuperação e reabilitação de agravos. Em 2016, as CliniCassi foram responsáveis por mais de 300 mil atendimentos para cadastrados. Dessa forma, atendendo às necessidades de públicos particulares, a Cassi busca aprimorar a assistência. Os investimentos nas ações garantem maior efetividade, com medidas de promoção da saúde e precaução de doenças.

O Saúde Mental, por exemplo, presta atenção integral com atendimentos para prevenção, diagnóstico precoce e tratamento. No dia a dia, as equipes das CliniCassi se deparam com problemas de sofrimento psíquico em parte da população atendida.

“O modelo é essencial na Cassi para o devido suporte aos participantes que demandam assistência em saúde mental. Os pacientes com quadros moderados e graves de adoecimento são incluídos no programa, fato que contribui para um olhar diferenciado ao projeto terapêutico singular e favorece o acompanhamento da equipe técnica na linha de cuidado”, conta o psicólogo Milton José Cazassa, da Cassi Rio Grande do Sul.

Já as ações do Viva Coração são direcionadas à prevenção de agravos cardiovasculares. As equipes das CliniCassi direcionam os atendimentos, estimulando a adoção de hábitos de vida e alimentação saudável. Também há incentivo à redução do nível de estresse e busca pela normalidade dos resultados de exames laboratoriais.

Outro exemplo de benefícios proporcionados pelos programas é o acompanhamento destinado aos participantes que precisam de atenção no ambiente domiciliar. Em 2016, 1.831 pessoas foram acompanhadas na modalidade Atenção Domiciliar (PAD). Nesta, o paciente é assistido com tratamento personalizado na sua casa e com a participação dos familiares, o que diminui o risco de complicações, aumenta a autonomia do beneficiado e melhora da qualidade de vida.


Antônia Vicale Trindade, que é acompanhada pela equipe da CliniCassi Porto Alegre Centro Norte, conta que o esposo Antônio José Trindade recebe atendimento domiciliar há seis anos. “Meu esposo recebe atenção em saúde 24 horas. Se acontecer algo comigo, assim como houve com a saúde do meu marido, será que vou ser cuidada? Eu espero que sim, pois a Cassi é tudo para mim.”

“O atendimento domiciliar veio para auxiliar, pois tenho muita dificuldade em sair de casa. Poder receber os curativos em casa foi muito bom para minha recuperação. Levou quase dois anos para fechar todas as feridas, mas hoje, devido ao atendimento recebido, estou melhor”, conta Maria Helena Matte da Rosa, cadastrada no PAD assistência domiciliar e acompanhada pela CliniCassi Passo Fundo.

Fonte: Cassi

Um comentário:

Maria do Carmo disse...

A maioria das doenças têm causas psicológicas. Penso que atuar na prevenção é oferecer programas que promovam o bem estar das pessoas. Este bem estar só é pleno quando a pessoa está expressando seu potencial criativo. A doença normalmente tem sua origem nos bloqueios desses conteúdos que por repressão desta energia, a pessoa deforma o seu processo de desenvolvimento.
É o que chamamos de doença. A Arteterapia, uma das práticas terapêuticas recentemente regulamentada, pode ser uma contribuição relevante e de baixo custo para a CASSI.É uma atividade terapêutica que pode ser realizada em grupos, o que reduz o custo.