Páginas

29.10.12

Contraf-CUT conclui primeiro módulo do novo curso de formação sindical


Crédito: Contraf-CUT
Contraf-CUTAcima, os participantes do curso. Abaixo, Sérgio Rosa, durante exposição


A Contraf-CUT, em parceria com o Dieese, finalizou na última sexta-feira (26) o primeiro módulo do curso de formação sindical, iniciado na segunda-feira (22), voltado para diretores e assessores de sindicatos de bancários, realizado no Hotel Atibainha, no interior de São Paulo. 

O curso, intitulado "Sindicato, Sociedade e Sistema Financeiro", é dividido em três módulos de cinco dias cada. Esta é a sétima turma do curso, que já percorreu todas as regiões do país e agora começou uma nova fase em São Paulo. 

"De modo geral, os trabalhos de discussão focaram a sociedade em que vivemos, além de um debate acerca dos interesses e dos atores sociais inseridos nela, os valores representados, as principais instituições e as formas de disputa", afirma William Mendes, secretário de formação da Contraf-CUT. "Também abordou a história de luta da classe trabalhadora sob os vários contextos ao longo do século 20 e neste início de século 21", destaca William.

A origem do movimento sindical brasileiro com os anarcosindicalistas e as greves ocorridas entre o final do século 19 e primeiras décadas do século 20 também foram temas dos debates. Os participantes estudaram ainda a evolução e as mudanças do sindicalismo na Era Vargas, no regime militar e na redemocratização do país, apontando para os desafios da contemporaneidade.

A turma conta com a participação de 36 dirigentes e assessores sindicais de 20 entidades de diferentes estados.

Participação de Sérgio Rosa

Os participantes contaram com uma exposição de Sérgio Rosa, funcionário do Banco do Brasil, ex-diretor do Sindicato dos Bancários de São Paulo e presidente da extinta Confederação Nacional dos Bancários (CNB-CUT) entre 1994 e 2000. Ele também foi diretor eleito da Previ e depois presidente do fundo de pensão dos funcionários do BB no período de 2003 a 2010.

Sérgio resgatou a história do movimento sindical bancário desde a década de 1980. Apontou a organização do Departamento Nacional de Bancários da CUT (DNB-CUT), em 1985, a transformação em CBN-CUT, em 1992, e a criação da Contraf-CUT, em 2006. Também analisou a importância da atuação dos bancários no cenário político nacional.

O dirigente ainda lembrou o período de fundação do Partido dos Trabalhadores (PT), na busca de liberdade, democracia e participação política nas decisões do país. 

Continuidade do curso

O segundo módulo do curso acontece de 5 a 9 de novembro e o terceiro entre os dias 3 a 7 de dezembro.


Fonte: Contraf-CUT

27.10.12

Eleição Paulistana - Campanha de Haddad (PT) conquista o povo

(PARABÉNS POVO PAULISTANO POR OPTAR PELA ESPERANÇA E PELO FUTURO!!)
(HADDAD FOI ELEITO PREFEITO DE SÃO PAULO)



Amanhã São Paulo elegerá seu prefeito para os próximos quatro anos.

Uma coisa importante na política e na democracia real está acontecendo neste embate entre o candidato Fernando Haddad (PT) x José Serra (PSDB): a população entrou no debate e na militância na busca de cada voto possível para a vitória.


Isso é muito bonito de se ver. O candidato José Serra, que representa atualmente o que há de pior para a classe trabalhadora, conseguiu ter a aversão de metade da população paulistana.


O candidato Fernando Haddad do Partido dos Trabalhadores representa a política que vem sendo implementada pelo governo federal há uma década e que transformou o Brasil em uma das nações mais promissoras do mundo contemporâneo, conjugando democracia de massa e mudanças (sem ruptura institucional) com distribuição da riqueza produzida pela classe trabalhadora e pela inclusão de mais de 50 milhões de pessoas no direito humano de adquirir bens e direitos antes permitidos a pequena parcela de privilegiados da elite local e dos grandes países do primeiro mundo.


Não consegui me envolver na campanha de rua do candidato Haddad, pois minha agenda sindical segue ininterrupta desde o fim da greve da categoria porque sou representante eleito pelos bancários e entidades sindicais na função de coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil e sou secretário de formação da Contraf-CUT.


Ao mesmo tempo, vi algo que me encheu de orgulho nas últimas semanas: minha esposa no corpo a corpo com cada pessoa de seu local de trabalho e espaços que frequenta dizendo da importância de votar em Fernando Haddad para termos uma capital paulista com esperança de ser um lugar melhor para se viver.


Digo aqui de meu orgulho porque minha esposa é uma cidadã não envolvida com militância política. Pelo contrário, ela não gosta disso, mas a campanha de Ferdando Haddad conseguiu fazê-la sair para o corpo a corpo na busca de votos para elegê-lo.


AMANHÃ, VAMOS TODOS NÓS CIDADÃOS PROGRESSISTAS ELEGER FERNANDO HADDAD (PT) PARA CONDUZIR SÃO PAULO RUMO A UM FUTURO COM ESPERANÇAS DE SER MELHOR.


VOTE 13 - PARTIDO DOS TRABALHADORES EM SÃO PAULO



PS: aqui onde voto em Osasco já elegemos o candidato Jorge Lapas do Partido dos Trabalhadores para o próximo mandato, para dar sequência ao excelente trabalho feito por Emídio de Souza (PT) nos últimos oito anos.

26.10.12

Contraf-CUT repudia ameaças do BB contra funcionários que fizeram greve


A Contraf-CUT repudia as práticas antissindicais que estão ocorrendo nas unidades do Banco do Brasil contra funcionários que fizeram a greve nacional da categoria. Os sindicatos estão recebendo denúncias de procedimentos de administradores do banco que afrontam a forma de compensação dos dias parados prevista na cláusula 56ª da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).

"Não aceitamos pressões, planilhas ou quaisquer orientações do banco em desacordo com o que estabelece a CCT e cobramos respeito e dignidade com os trabalhadores que exerceram o direito constitucional de greve e que produzem diariamente os excelentes resultados do BB e fortalecem a instituição como banco público", afirma William Mendes, secretário de formação da Contraf-CUT e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB.

O dirigente sindical alerta que os funcionários não devem assinar planilha alguma sobre compensação de horas de greve, pois isto não está previsto na CCT e no acordo aditivo assinado pelo banco. "Qualquer documento desse gênero deve ser impresso e retido pelos bancários para eventual denuncia ao sindicato e à justiça contra o gestor que está assinando tais práticas de assédio moral e prática antissindical", aponta William.

Qualquer novo abuso ou truque deve ser denunciado imediatamente pelos funcionários aos sindicatos, federações e Contraf-CUT.

"Estamos de olho e atentos a todas as ameaças que os funcionários do banco estão sofrendo e vamos tomar juntos todas as medidas cabíveis para combater o assédio moral e as práticas antissindicais que agridem a dignidade dos trabalhadores do BB", conclui William.


Fonte: Contraf-CUT com sindicatos

25.10.12

CURSO DE FORMAÇÃO ESTUDA HISTÓRIA DO MOVIMENTO E DESAFIOS ATUAIS

Sérgio Rosa, ex-dirigente da Previ e liderança sindical bancária na redemocratização.


CURSO DE FORMAÇÃO ESTUDA HISTÓRIA DO MOVIMENTO E DESAFIOS ATUAIS

Está acontecendo a 7ª turma do curso de formação Sindicato, Sociedade e Sistema Financeira, organizado pela Contraf-CUT em parceria com o Dieese. O curso é autofinanciado pelas entidades participantes.

O curso é realizado em 3 módulos de 5 dias. Esta turma tem a participação de 36 dirigentes e assessores sindicais de 20 entidades bancárias e dos trabalhadores.

Nesta semana, já foi estudada e debatida a forma como está organizada a sociedade contemporânea e todos os atores sociais e segmentos que disputam espaços de interesse nela.

Na terça-feira foi debatida a origem do movimento sindical brasileiro com os anarcosindicalistas e as greves ocorridas entre o final do século 19 e primeiras décadas do século 20.

Na quarta-feira o grupo teve um momento de debate com Sérgio Rosa, ex-diretor eleito da Previ e depois presidente do fundo de pensão entre 2003 e 2010.

Sérgio Rosa foi uma importante liderança sindical dos anos oitenta e noventa - dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo Osasco e região e da Confederação Nacional dos Bancários (CNB-CUT). 

Ele vivenciou e participou da construção da atual estrutura sindical bancária, que nasceu dentro da Central Única dos Trabalhadores - CUT. A Contraf-CUT nasceu primeiro como departamento da Central, depois como confederação orgânica de bancários e atualmente trabalha para representar todos os trabalhadores do ramo financeiro.

Sérgio Rosa também viveu o período em que os trabalhadores e os movimentos sociais criaram o Partido dos Trabalhadores, em busca de liberdade e democracia efetiva, com a participação das massas populares nas decisões do país.

Como secretário de formação da confederação agradeço o investimento em formação que está sendo feito pelas entidades bancárias de: Abc, Guarulhos, Apucarana, Cornélio Procópio, Umuarama, Londrina, Amapá, Campinas, Campo Grande, Rondônia, Brasília, São Paulo Osasco e região, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Alagoas, Ceará, Fetec CN, Fetec SP, Contraf-CUT e Dieese.


William Mendes

24.10.12

Após cobrança da Contraf-CUT, BB volta a convocar os concursados


Crédito: Seeb São Paulo
Seeb São PauloConcursados tomam posse no BB em São Paulo nesta segunda-feira 22


Depois que a Contraf-CUT enviou ofício ao Banco do Brasil, no dia 11 de outubro, criticando a suspensão da convocação de concursados e solicitando que recuasse de sua decisão, o banco público voltou a chamar os trabalhadores aprovados nos exames e anunciou a realização de novos concursos em 15 estados do país.

Leia aqui a carta enviada pela Contraf-CUT ao BB cobrando a contratação dos concursados.

"Foi um flagrante desrespeito aos milhares de cidadãos aprovados no concurso a suspensão da posse de dezenas de aprovados que já haviam recebido a convocação e estavam em processo de qualificação para começar a trabalhar. Muitas dessas pessoas já tinham pedido demissão de empregos anteriores e tiveram prejuízos por uma decisão irresponsável da direção do BB", criticou William Mendes, secretário de Formação da Contraf-CUT e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB.

"Ao suspender as contratações, o banco prejudicou também a vida de seus clientes, pois em muitas agências o atendimento está comprometido por falta de funcionários", acrescentou William.

Em resposta à carta da Contraf-CUT, o BB respondeu no dia 15 de outubro que "as convocações e posses de concursados estão em seu curso normal".

Veja aqui a resposta do BB à cobrança da Contraf-CUT.

Cumprindo esse compromisso, o banco voltou a convocar os aprovados nos concursos. Nesta segunda-feira 22, o BB deu posse a 62 concursados no município de São Paulo.

E na sexta-feira 19 o banco público federal publicou edital para anunciar a abertura de concurso para formação de cadastro de reserva para o cargo de escriturário em 15 estados: Acre, Amapá, Amazonas, Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Santa Catarina e Sergipe. 

"Com isso, o BB corrige uma injustiça que afetou muitos concursados. Além disso, a medida prejudicava a atuação do banco, neste momento de expansão do crédito, política de queda de juros e tarifas, captação de três milhões de novos clientes, ampliação do atendimento nas agências com o programa Bompratodos e redução do número de caixas nas agências desde a implantação das Plataformas de Suporte Operacional (PSO)", conclui William Mendes.


Fonte: Contraf-CUT com Seeb São Paulo

22.10.12

Começa novo curso de formação sindical da Contraf-CUT e Dieese


Crédito: Contraf-CUT
Contraf-CUTParticipantes focaram sociedade, interesses e atores sociais inseridos

Teve início nesta segunda-feira (22) o primeiro módulo do 7º curso de formação sindical "Sindicato, Sociedade e Sistema Financeiro", um programa de capacitação para dirigentes e assessores, que já percorreu todas as regiões do país e agora começou nova fase em São Paulo. 

A turma contém participantes oriundos de 18 entidades sindicais de diversos estados. A iniciativa é mais uma promoção da Contraf-CUT em parceria com o Dieese.

"Neste primeiro dia, após a abertura que resgatou um pouco da história deste curso, os trabalhos de discussão focaram a sociedade em que vivemos, além de um debate acerca dos interesses e dos atores sociais inseridos nela, os valores representados, as principais instituições e as formas de disputa", afirma William Mendes, secretário de formação da Contraf-CUT.

Os participantes assistiram a filmes e fizeram leitura de textos para balizar as discussões. 

"Ao longo da semana, o curso abordará a história de luta da classe trabalhadora sob os vários contextos ao longo do século 20 e neste início de século 21", destaca William.


Fonte: Contraf-CUT

21.10.12

Agenda sindical e de luta pela coletividade






Olá,

Neste domingo, viajo para o interior paulista. Nesta semana estaremos em curso de formação da Contraf-CUT para dirigentes bancários.

No sábado, estive na AABB SP:

Acordei cedo e fui para a reunião mensal do Conselho Deliberativo da AABB SP. Nossa gestão começou em agosto e este foi o segundo encontro do Conselho.

O evento e os debates duraram mais de 3 horas e avalio que as deliberações foram muito positivas para a entidade e para os associados. Votamos regras de isenção e redução de mensalidade para atrair novos sócios, pensando principalmente nos novos funcionários, naqueles que ganham pouco e também naqueles que nunca conheceram a AABB SP.

Acredito que cumpri com uma das questões que sempre esperei ver na AABB - dar mais oportunidade para os colegas do banco se associarem ao clube.

Parabenizo o presidente Ramon e demais membros do Conselho de Administração. Ramon é amigo de longa data e percebo que seu trabalho é muito sério, por isso aceitei participar e contribuir na gestão do clube. SIGAMOS NA LUTA pela melhoria dos espaços coletivos e pela inclusão de mais pessoas neles.


SOMOS FORTES, SOMOS CUT!

19.10.12

Agenda sindical...

Pois é!

A minha quinta-feira que começou com reunião às 10 horas da manhã na Contraf-CUT acabou agora na madrugada de sexta-feira, às 2h da manhã.

Não faço isso por prazer. Não sou workaholic e teria muitas coisas a fazer também.

Sem comentários. Vamos tomar um banho e dormir um pouco que eu tenho agenda na sexta, sábado e domingo.

Vamos ver até onde aguento...

17.10.12

Por onde ando... agenda de luta

Nesta quarta 17 estou fora de ação pela manhã (um respiro) pois estou no limite do cansaço. À tarde vou pra Contraf-CUT.

Ontem, terça 16, trabalhei umas 12 horas na Contraf-CUT. Tivemos reunião da executiva da confederação e também estou atendendo demandas do Banco do Brasil e do curso de formação que iniciaremos na próxima semana.

Segunda 15 também trabalhei umas 10 horas.

Quinta 18 terei reunião o dia todo na Contraf-CUT.

Na sexta estaremos nos preparativos finais para o curso de formação.

No sábado, tenho reunião do Conselho Deliberativo da AABB SP.

No domingo... viajo para Nazaré Paulista, interior de SP, para o curso de formação Sindicato, Sociedade e Sistema Financeiro, 7ª turma.

Percebem como minha agenda não aliviou mesmo com o fim da greve dos bancários? É 220 volts direto...

16.10.12

Após cobranças, BB diz que chamará concursados (Seeb SP)


Direção do banco federal havia suspendido a posse, prejudicando tanto quem passou nas provas quanto os funcionários que já fazem parte do quadro
São Paulo - Após cobranças do Sindicato e Comissão de Empresa da Contraf-CUT, a direção do Banco do Brasil entrou em contato com representantes dos funcionários e garantiu que o processo de contratação de concursados voltou ao normal.

O Sindicato entrou em contato com alguns dos concursados para confirmar se o banco está cumprindo o compromisso e os consultados disseram que as nomeações canceladas do dia 15 foram reprogramadas para 22 de outubro.

Os trabalhadores tinham recebido carta de convocação e estavam em processo de qualificação, quando o banco cancelou a nomeação. A decisão pegou de surpresa os convocados, muitos já haviam pedido demissão do emprego anterior e há casos de pessoas que tinham até já mudado de cidade.

"Além da falta de respeito com esses trabalhadores, a suspensão imposta pela direção do BB afeta também os funcionários da empresa, já sobrecarregados pela atual demanda", afirma o diretor executivo do Sindicato e bancário do Banco do Brasil Ernesto Izumi.

O Sindicato orienta os concursados que receberam a carta de convocação a entrar em contato pelo site (clique aqui - setor "site"), informando a agência onde deverão ser nomeados e telefone para contato. A entidade vai ficar atenta e cobrar o banco para que as contratações continuem.

Leia mais
> Descaso do BB com concursados complica todos
> Convocados do BB devem procurar o Sindicato


Fonte: Seeb SP - Redação - 16/10/2012

Após cobrança da Contraf-CUT, BB recua e retoma posse de concursados

  
A pressão da Contraf-CUT, que remeteu carta na última quinta-feira (11) à direção do Banco do Brasil reivindicando que o BB reveja a posição de suspender a posse dos concursados, surtiu efeito. Em resposta enviada nesta segunda-feira (15), o banco anunciou que "as convocações e posses de concursados estão em seu curso normal", ou seja, o banco irá retomar a nomeação dos aprovados nos concursos. 

Clique aqui para ler a carta remetida pela Contraf-CUT ao BB.

Clique aqui para ler a carta enviada pelo BB à Contraf-CUT.

"O recuo do BB é importante e atende à reivindicação do movimento sindical, que criticou duramente a suspensão das convocações dos concursados, muitos já em processo final de qualificação e com data de posse agendada", afirma William Mendes, secretário de formação da Contraf-CUT e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB.

"Com isso, o BB corrige uma injustiça que afetou muitos concursados. Além disso, a medida prejudicava a atuação do banco, neste momento de expansão do crédito, política de queda de juros e tarifas, captação de três milhões de novos clientes, ampliação do atendimento nas agências com o programa Bompratodos e redução do número de caixas nas agências desde a implantação das Plataformas de Suporte Operacional (PSO)", explica William. 

Para o diretor da Contraf-CUT, "a expectativa dos funcionários é de que o BB amplie a nomeação de concursados e aumente as dotações de pessoal das agências, diante do enorme crescimento da massa de serviços, gerando mais empregos, melhorando as condições de trabalho e investindo na qualidade de atendimento aos clientes e à população, como forma de fortalecer o papel do BB como banco público a serviço do desenvolvimento econômico e social do país".


Fonte: Contraf-CUT

15.10.12

Agenda sindical... Manifestação contra Mídia Golpista

Hoje estive na atividade contra aquela corja latino-americana dos magnatas da comunicação comercial golpista.

Depois segui para a Contraf-CUT. Nesta semana estamos finalizando as inscrições para a 7ª turma do curso  de formação SINDICATO, SOCIEDADE E SISTEMA FINANCEIRO promovido para dirigentes sindicais bancários e assessores dos sindicatos.

PELA VERDADEIRA LIBERDADE DE EXPRESSÃO!
SOMOS FORTES, SOMOS CUT!

Crédito: Roberto Parizotti - CUT
Roberto Parizotti  - CUTPara movimentos sociais, monopólio da mídia sufoca liberdade de expressão
A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), a "honorável sociedade mafiosa" que congrega os donos dos grandes conglomerados de comunicação do continente, foi alvo nesta segunda-feira (15), em São Paulo, de críticas demolidoras e bem humoradas de militantes dos movimentos sociais e pela democratização da comunicação.

Em frente ao luxuoso hotel Renassaince, representantes da CUT, do MST, do Coletivo Intervozes e do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) levantaram cartazes denunciando alguns dos reiterados abusos praticados por emissoras de rádio e televisão, jornais e revistas que comportam-se como "indústria de intoxicação", reproduzindo seus antivalores.

Erguendo a faixa "Monopólio da mídia sufoca liberdade de expressão", os manifestantes apontaram como a mercantilização do jornalismo conduz a uma espiral de dupla manipulação: pelo poder econômico e pelo poder político, reverberando os interesses do sistema financeiro, das transnacionais e das grandes empresas, seus grandes anunciantes. "Quando os interesses econômicos e políticos coincidem, tanto mais visível será a manipulação", já nos alertava o jornalista Rui Pereira.

A atualidade do questionamento é mais do que pertinente, como comprova o Sindicato dos Bancários de São Paulo, que teve a edição do seu jornal apreendida há pouco mais de duas semanas a pedido da coligação do candidato José Serra. A ordem de busca e apreensão da Folha Bancária, que incluía até mesmo o "arrombamento" da entidade, "se necessário", foi solicitada pelo candidato tucano sob a alegação de que a "matéria denigre a imagem" de Serra.

A secretária-geral do Sindicato, Raquel Kacelnikas, lembrou que, enquanto um órgão alternativo é silenciado, a população é bombardeada 24 horas por dia por uma mídia que desinforma, reproduzindo tão somente os interesses de uma pequena elite. "Graças aos investimentos dos movimentos em seus próprios meios e à internet temos hoje maior capacidade de comunicação, acabando com os estreitos limites impostos pela mídia privada, extrapolando fronteiras e fazendo a disputa", declarou Raquel.

Secretária estadual de Comunicação da CUT-SP, Adriana Oliveira Magalhães, destacou que diante de tantos e tão reiterados abusos contra a liberdade de expressão, está na hora do governo federal submeter "à consulta popular os 20 pontos do Marco Regulatório da Comunicação". 

Entre as prioridades, elencou Adrianinha, estão a regulamentação dos artigos da Constituição Federal, como o que proíbe a formação de monopólios e oligopólios, e o que garante o respeito à diversidade regional e à produção independente. Enquanto isso, disse, os grandes meios de comunicação "condenam os movimentos sociais, criminalizam o MST e as centrais sindicais e não dão sequer direito de resposta".

Conforme a líder cutista, a recente cobertura das eleições da Venezuela é outra demonstração inequívoca de que "precisamos de outra comunicação, de outra mídia". "A cobertura de canais como a Globonews foi totalmente discriminatória, uma propaganda da derrota de um governo democrático", ressaltou.

Integrante da Rede ComunicaSul, que cobriu recentemente as eleições na Venezuela, Terezinha Vicente Ferreira destacou a violência da campanha desinformativa coordenada pelas agências internacionais, sob a batuta da SIP, como "aparelho de propaganda ideológica do capital em favor de uma colonização das mentes". 

Ao contrário do que se diz na mídia privada, ressaltou, pudemos ver que não falta liberdade de expressão na Venezuela, "pois muitos jornais não só questionam o governo como ofendem diretamente o presidente a partir de uma visão patronal". "Pude ver também na Venezuela o apoio governamental às televisões públicas e comunitárias, em contraposição ao pensamento único com que a mídia empresarial tenta nos envenenar", acrescentou Terezinha.

CACHORROS GUARDIÃES

O prólogo do livro "Os novos cachorros guardiães", de Sergei Alimi, redator do Le Monde Diplomatique, é esclarecedor sobre o receituário da manipulação utilizado pelos "profissionais da mentira" a serviço do grande capital: "As manchetes que compõem, os qualificativos que empregam, as fotos que ampliam, os enfoques e colaborações que elegem, são o bastante para que a simples experiência empírica nos ensine sobre o veneno que bebemos".

Em virtude desta manipulação, cada um dos 12 cartazes levantados pelos manifestantes - e posteriormente colados em frente ao hotel - expunha temas "invisibilizados" pela mídia "alienante e alienada": "Anatel ignora que 92% das rádios comerciais de São Paulo opera com licença vencida e fecha 100% das comunitárias"; "André Caramante está exilado para se proteger das ameaças de morte que sofreu por matéria que denunciava a Rota e o coronel Telhada", eleito o segundo vereador mais votado do PSDB na capital paulista. O governo do estado silencia sobre o caso"; "Quase 90% da programação de TV é produzida no eixo Rio-São Paulo, apenas 10,8% é dedicada à produção local".

LIBERDADE DE TODOS E TODAS

Membro da coordenação do FNDC e integrante do Coletivo Intervozes, João Brant, frisou que a "liberdade pela qual lutamos é de todos e todas, não a que fica confinada e aprisionada pelo monopólio da mídia". Brant citou o exemplo da Lei de Meios da Argentina, que obrigará o grupo Clarín, no próximo 7 de dezembro, a devolver parte das suas licenças, ampliando o número de vozes.

O coordenador do Centro de Estudos de Mídia Barão de Itararé, Altamiro Borges, denunciou o "rabo preso" dos "450 donos, executivos e jornalistas" reunidos no evento da SIP e os exortou a se pronunciarem sobre os abusos cometidos contra a liberdade de expressão, como a perseguição movida contra Julian Assange, fundador do Wikileaks, e a invasão do Sindicato dos Bancários de São Paulo para impedir a circulação do seu jornal.

Representando o MST - uma das entidades mais atingidas pela violência da onda midiática de desinformação e calúnia - o jornalista Igor Felipe defendeu "a desconcentração dos meios como essencial para abrir espaço a uma sociedade mais democrática". "Queremos liberdade de expressão e liberdade de imprensa. Já as famílias reunidas no encontro da SIP querem a comunicação como forma de garantir lucros e dominação" .

Para o professor Edmilson Costa, que representou o Partido Comunista Brasileiro (PCB), "a SIP é a sociedade interamericana dos monopólios de comunicação, que manipulam em favor dos interesses mais atrasados da oligarquia, se convertendo na ponta de lança da discriminação".

Mais do que um ataque à ditadura dos barões da mídia, os manifestantes agiram em legítima defesa da democratização da comunicação. E como enfoca Serge Alimi, "a este exercício elementar de autodefesa se chama lucidez".


Fonte: CUT - Leonardo Severo

15 de outubro - Dia do Professor: parabéns pela luta!


Neste dia, que todos os/as professores/as e demais trabalhadores/as em educação tenham orgulho do seu trabalho e continuem lutando para transformar a educação do Brasil

Escrito por: CNTE

"A luta dos professores em defesa dos seus direitos e de sua dignidade deve ser entendida como um momento importante de sua prática docente, enquanto prática ética. Não é algo que vem de fora da atividade docente, mas algo que dela faz parte." (Paulo Freire)

A frase do pedagogo pernambucano, patrono da 8ª Conferência Nacional de Educação da CNTE, realizada em setembro em Recife, reforça a necessidade da luta incansável da categoria pela valorização permanente de todos os trabalhadores e trabalhadoras em educação.

Em 2012, a CNTE tem dado continuidade ao trabalhado firme pela garantia de direitos dos/as educadores/as e pela qualidade da educação pública. A aprovação do PNE na Câmara dos Deputados, a VI Marcha Nacional, que levou mais de 10 mil trabalhadores/as para a Esplanada dos Ministérios em Brasília, a Conferência de Educação na terra de Paulo Freire, e as mobilizações regionais contra a Adin dos governadores expressam as agendas de lutas de nossa Entidade pelo reconhecimento da educação como prioridade máxima do país.

Neste momento, a CNTE e seus sindicatos filiados esperam a aprovação do PNE, no Senado, com a destinação de 10% do PIB para a Educação Pública, patamar este a ser alcançado com a alocação de 100% dos royalties do pré-sal para a educação, conforme tem defendido a presidenta Dilma Rousseff e o ministro da educação, Aloizio Mercadante.

A CNTE também luta por uma educação democrática, e o Dia do Professor é mais uma oportunidade para lembrarmos à sociedade a importância da valorização da escola pública como instrumento de elevação das condições sociais do povo brasileiro. Para tanto, o Estado deve assegurar as condições de trabalho aos educadores – professores e funcionários – e de aprendizagem aos estudantes.

Neste dia 15, que todos os/as professores(as) e demais trabalhadores/as em educação tenham orgulho do seu trabalho e continuem lutando para transformar a educação do Brasil.


TODO APOIO À LUTA PELA VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO E DOS PROFESSORE/AS

SOMOS FORTES, SOMOS CUT!

11.10.12

Fechei semana com reunião na BASE


Durante curso de formação em Atibaia. (6ª turma). Agora vamos para a 7ª turma
Nesta quinta-feira não amanheci muito bem e acabei trabalhando em casa, pois minha semana foi marcada por montar vários ofícios da Contraf-CUT ao Banco do Brasil sobre problemas posteriores ao fim da campanha nacional dos bancários.

Também trabalhei bastante nesta semana para ter a 7ª turma do curso de formação Sindicato, Sociedade e Sistema Financeiro instalada daqui a poucos dias - primeiro módulo de 22 a 26 de outubro (SP).

Como coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil tenho atendido demandas o dia inteiro. Após cobrar solução de vários problemas ao banco, fizemos matérias no site da Contraf-CUT para municiar nossas dezenas de entidades filiadas.

BASE: estava baqueado fisicamente hoje, mas como tinha um compromisso com os bancários, fui fazer uma reunião de avaliação da campanha em uma agência aqui de Osasco. 

Apesar de ser véspera de feriado, os bancários ficaram reunidos até as 18 horas discutindo diversos problemas como a participação na greve, o modelo da PLR do BB, as conquistas específicas e as da categoria.

Saí da agência revigorado pelo bom debate com os colegas que representamos.

Bom feriado a todas as pessoas!

SOMOS FORTES, SOMOS CUT!
SOMOS ARTICULAÇÃO SINDICAL!

Banco do Brasil não pode ameaçar férias ou licenças


Bancários fazem denúncias indignadas ao Sindicato que não vai aceitar compensação como medida punitiva
São Paulo – O BB anunciou, em circular, que durante o período de compensação da greve, as férias e as licenças dos funcionários devem ser “reavaliadas”. As denúncias chegaram ao Sindicato por meio de mensagens indignadas de vários trabalhadores.

“O Sindicato não vai aceitar que a compensação seja utilizada como medida punitiva pela participação dos funcionários na campanha. Isso é um absurdo. A greve é um direito previsto em lei e o tratamento dos dias parados depende da correlação de forças entre trabalhadores e empregadores”, destaca o diretor executivo do Sindicato Ernesto Izumi.

Na campanha deste ano, ficou acertado na mesa de negociação que os nove dias parados não serão descontados e que serão compensados apenas entre 2 de outubro a 15 de dezembro. Se ainda houver algum saldo depois desse período, ele será abonado.

“Também não é admissível que o banco procure punir a greve com medidas como a prorrogação da jornada de funcionários sem necessidade ou impondo serviços inadequados a sua função ou ainda ridicularizando e prejudicando a imagem do trabalhador junto a colegas e clientes”, acrescenta Ernesto, ressaltando que se algum funcionário se sentir prejudicado deve entrar em contato com o Sindicato, que vai apurar o problema e, se houver desvio, cobrar mudança de postura dos administradores.

VA e VR – O banco reembolsa na quinta 11, os valores do VA e VR que foram descontados indevidamente dos funcionários durante a greve. O crédito virá no Visa Vale.


Fonte: Seeb SP Redação - 10/10/2012

10.10.12

DESABAFO DE UM MILITANTE DE ESQUERDA



DESABAFO DE UM MILITANTE DE ESQUERDA

Estava voltando pra casa agora à noite no trem que passa em Osasco. Segurei muito as lágrimas, quando li a carta de José Dirceu, militante do Partido dos Trabalhadores condenado sem provas pela “justiça” brasileira, que se somou à direita mais tacanha e nojenta das que existem por aí. Ele foi transformado em inimigo público número um por essa oposição ao Governo do PT e às mudanças implantadas pelo partido no país nos últimos dez anos. Também condenaram o José Genoíno, da mesma forma vil.

Estou pusilânime neste momento. É por um conjunto de fatores. Eu odeio ingratidão. Seja em casa, na política, no trabalho, na vida. Tenho pouca paciência pra lidar com isso. Estou cansado hoje e com muito ódio no coração. É foda! Estou há dez anos no movimento sindical e de esquerda. Nunca fui apegado a poder, dinheiro e status. No entanto, em todos os espaços sociais, praticamente tudo gira em torno da disputa pelo poder, pelo acúmulo do dinheiro e pelo status. A condenação sem provas dos militantes contrários à estrutura capitalista de poder, que inclui a justiça burguesa, mostra que não há como vencer somente na política e acreditar na democracia. A invenção de que alguns líderes praticam crime mesmo sem provas, só porque são os líderes e têm “domínio do fato”, deixa qualquer um de nós à mercê desses desgraçados que controlam as estruturas burguesas do Estado Capitalista. Já podem me condenar hoje mesmo. Sou líder nacional dos bancários. Negocio milhões em nome dos trabalhadores. É só acusar e condenar (apesar de mal ter onde cair morto). Fácil, fácil!

Quando falamos em estruturas burguesas do Estado Capitalista, estou falando de todas. Estou falando dos templos religiosos mancomunados com o poder. Estou falando do poder de polícia. Estou falando dos executivos e legislativos eleitos pelo financiamento privado. Estou falando das máquinas sindicais oficiais e pelegas. Estou falando dos veículos de comunicação comerciais (e os estatais também onde os há). Estou falando da propriedade dos bens de produção (material e ideológica).

Se eu já estou acumulando detratores e caluniadores como dirigente sindical de baixa patente, inclusive dentro do mesmo campo político (querem coisa mais nojenta que isso!), imaginem o que os donos do poder fazem conosco se amanhã começam a por a minha cara na TV, nos jornais e revistas dizendo que eu sou criminoso. Neste momento estou pensando na revolução de Mao Tsé-tung na China. A famosa Revolução Cultural Proletária (e no que fizeram com a elite local pró-ideias ocidentais capitalistas).

Hoje não posso dizer o que poderia fazer com o ódio que estou sentindo. 


William Mendes
(cansado, mas incansável se iniciar uma briga)


Leia, abaixo, a nota de José Dirceu sobre a condenação infame de que foi alvo

AO POVO BRASILEIRO
No dia 12 de outubro de 1968, durante a realização do XXX Congresso da UNE, em Ibiúna, fui preso, juntamente com centenas de estudantes que representavam todos os estados brasileiros naquele evento. Tomamos, naquele momento, lideranças e delegados, a decisão firme, caso a oportunidade se nos apresentasse, de não fugir.
Em 1969 fui banido do país e tive a minha nacionalidade cassada, uma ignomínia do regime de exceção que se instalara cinco anos antes.
Voltei clandestinamente ao país, enfrentando o risco de ser assassinado, para lutar pela liberdade do povo brasileiro.
Por 10 anos fui considerado, pelos que usurparam o poder legalmente constituído, um pária da sociedade, inimigo do Brasil.
Após a anistia, lutei, ao lado de tantos, pela conquista da democracia. Dediquei a minha vida ao PT e ao Brasil.
Na madrugada de dezembro de 2005, a Câmara dos Deputados cassou o mandato que o povo de São Paulo generosamente me concedeu.
A partir de então, em ação orquestrada e dirigida pelos que se opõem ao PT e seu governo, fui transformado em inimigo público numero 1 e, há sete anos, me acusam diariamente pela mídia, de corrupto e chefe de quadrilha.
Fui prejulgado e linchado. Não tive, em meu benefício, a presunção de inocência.
Hoje, a Suprema Corte do meu país, sob forte pressão da imprensa, me condena como corruptor, contrário ao que dizem os autos, que clamam por justiça e registram, para sempre, a ausência de provas e a minha inocência. O Estado de Direito Democrático e os princípios constitucionais não aceitam um juízo político e de exceção.
Lutei pela democracia e fiz dela minha razão de viver. Vou acatar a decisão, mas não me calarei. Continuarei a lutar até provar minha inocência. Não abandonarei a luta. Não me deixarei abater.
Minha sede de justiça, que não se confunde com o ódio, a vingança, a covardia moral e a hipocrisia que meus inimigos lançaram contra mim nestes últimos anos, será minha razão de viver.
Vinhedo, 09 de outubro de 2012
José Dirceu

9.10.12

Contraf-CUT cobra esclarecimentos do BB sobre pagamento da PLR

A Contraf-CUT enviou ofício nesta terça-feira (9) para a direção do Banco do Brasil, cobrando informações e esclarecimentos acerca do pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) referente ao Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) assinado na última quinta-feira, dia 4.

"Desde a sexta-feira, dia 5, quando ocorreu o crédito da PLR, estamos recebendo um grande número de reclamações, tanto de bancários quanto de entidades sindicais, com relação ao valor pago a título de parcela MÓDULO BÔNUS", afirma William Mendes, secretário de Formação da Contraf-CUT e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB.

Pelo que ficou acertado e contratado na cláusula 13ª, parágrafo 3º, do ACT, seria garantido para as superintendências de governo e de varejo a mesma metodologia e abrangência verificada na distribuição do exercício de 2011.

"É compreensível a redução da PLR no primeiro semestre deste ano, diante do aumento de 2.500 funcionários e da queda do lucro a ser distribuído em relação ao mesmo período do ano passado. Mas é preciso que o BB apresente explicações técnicas sobre os valores pagos, a fim de garantir transparência aos funcionários e ao movimento sindical", destaca William.


Fonte: Contraf-CUT

Contraf-CUT cobra do Banco do Brasil acertos da campanha nacional

A Contraf-CUT enviou ofício ao Banco do Brasil nesta terça-feira 9 para, entre outras demandas, cobrar a correção da falta não abonada do dia 27 de setembro, último dia da greve nacional, que não foi reclassificada corretamente, em descumprimento ao acordo aditivo já assinado.


"Nos surpreendeu o banco ter feito no sistema a reclassificação das faltas, que estava com o código indevido de falta não justificada, e ao corrigir o erro simplesmente desconsiderou o acordo coletivo aditivo já assinado na quarta-feira 4 de outubro", afirma William Mendes, diretor de Formação da Contraf-CUT e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB.


Demais correções

A Contraf-CUT também cobrou no ofício as datas dos acertos dos direitos e conquistas da campanha nacional, dentre os quais estão o acerto dos interstícios do VCPI dos incorporados, os reajustes dos vales-refeição e alimentação que virão no próximo crédito do Visa Vale e as demais verbas salariais no dia 20. "Esperamos que os acertos venham todos em outubro, já que a assinatura do acordo foi anterior ao fechamento da folha", acrescenta William.


Em relação ao desconto indevido do Visa Vale de outubro, devido aos dias da greve, o banco prometeu crédito para esta quinta-feira 11.


Fonte: Contraf-CUT

8.10.12

Banco do Brasil anuncia redução de tarifas e de sete pacotes de serviços

    Kelly Oliveira
Repórter da Agência Brasil


O Banco do Brasil anunciou redução de tarifas de sete pacotes de serviços e de 24 tarifas prioritárias, a partir do próximo dia 15. Segundo o banco, a redução chega a 34%, "com impacto principalmente sobre as [tarifas] utilizadas de forma massificada pela maioria dos cidadãos". As novas tarifas serão válidas para atuais e novos clientes do banco.


O vice-presidente de Negócios de Varejo do BB, Alexandre Abreu, disse que, ao reduzir os preços das tarifas, o banco compensa as perdas com maior volume de movimentação e de clientes. De acordo com ele, desde abril deste ano, quando a instituição lançou estratégia de redução de taxas de juros, 3 milhões de novos clientes passaram a utilizar serviços do banco.


Abreu evitou dizer se a decisão de reduzir taxas foi uma determinação do governo. "Existe um clamor da sociedade por preços mais baratos e a gente, por ser banco público, resolveu ajustar", destacou.


Segundo o vice-presidente, após o anúncio de redução de juros, ficou claro que os clientes comparam preços e não estão interessados somente em bom atendimento e conveniência.


Abreu disse ainda que as "seis ou sete" tarifas que tiveram os preços aumentados no início do ano foram contempladas no anúncio de hoje de redução. "O aumento do início do ano foi pontual, em algumas tarifas, sem grande impacto para os clientes", argumentou.


De acordo com o BB, os novos clientes vão ficar isentos da tarifa de confecção de cadastro para início de relacionamento, que atualmente é R$ 30.


Os 24 serviços, cujas tarifas tiveram redução de até 34%, são os seguintes: contas de depósito, cheque, saques, depósitos, consultas, transferências de recursos, transferências por TED/DOC e entre contas na própria instituição, ordens de crédito e cartões de crédito.


O portfólio passará a ter pacotes de serviços isentos, bem como pacotes com preços mínimos de R$ 3,80 e máximos de R$ 38 ao mês. O pacote de conta digital será isento de cobrança. O pacote universitário terá o preço mantido em R$ 3,80.


O pacote padronizado terá redução de 26,6%, de R$ 13,50 para R$ 9,90. Esse pacote é definido por resolução do Banco Central e inclui confecção de cadastro para início de relacionamento, oito saques, quatro extratos do mês corrente, dois extratos do mês anterior e quatro transferências por mês entre contas do mesmo banco.


Os pacotes atuais com preços entre R$ 40,60 e R$ 49,90, ao mês, terão redução de até 23,8%, mantidas as franquias de cada um:

- Private: de R$ 49,90 para R$ 38,00

- BomPraTodos Pleno: de R$ 49,50 para R$ 38,00

- Base Especial: de R$ 48,40 para R$ 38,00

- Estilo: de R$ 45,00 para R$ 38,00

- Bônus Ambiental: de R$ 45,00 para R$ 38,00

- Modalidade 50: de RS 42,90 para R$ 38,00

- Cesta 3 Besc: de R$ 40,60 para R$ 38,00


Fonte: Agência Brasil

VENEZUELA: POVO REELEGE HUGO CHÁVEZ (54%)



PARABENIZO O POVO VENEZUELANO PELA REELEIÇÃO DO COMANDANTE HUGO CHÁVEZ.

PARABENIZO O COMANDANTE HUGO CHÁVEZ PELA PERSEVERANÇA NA LUTA PELA VIDA E PELO PROJETO SOCIALISTA DEMOCRÁTICO QUE VEM SENDO IMPLANTADO NA VENEZUELA COM RESULTADOS EFETIVOS NA MELHORIA DE VIDA DO POVO.

VIVA A DEMOCRACIA! VIVA O SOCIALISMO! VIVA O POVO SUL-AMERICANO!

7.10.12

Eleições, democracia e fascismo - se a direita quiser guerra, eu topo!




ELEIÇÕES


Votei hoje na legenda do PARTIDO DOS TRABALHADORES (PT). Não tenho dúvida de que é a melhor opção para melhorar as condições de vida da classe trabalhadora em qualquer cidade do BRASIL (mesmo estando na bronca com algumas políticas liberais do partido).


DEMOCRACIA


Vivemos um momento dramático na vida brasileira em relação às instituições basilares na manutenção da democracia e da Constituição Federal - executivos, legislativos, e judiciário.


Desde a eleição do PT em 2002, a elite tacanha e os Donos do Poder pensam formas de recuperar o poder político na marra, já que as mudanças positivas no Brasil nestes dez anos administrados pelo PT (Lula e Dilma) não lhes permite isso no voto.


A parceria da oposição partidária ao governo do PT com os principais veículos comerciais e privados de imprensa e televisão conseguiu agora fazer a principal instância judiciária do país (STF) rasgar sua história e a principal corte inventa condenações sem provas na Ação Penal 470 ("mensalão" o cacete!), num verdadeiro ato político contra um governo eleito (Lula) e um partido que o sustenta (PT).


Como cidadão politizado e militante que ajudou a construir este novo Brasil nos últimos dez anos, começo a sentir o mesmo ódio da elite e burguesia que me alimentou por toda uma vida.



FASCISMO


Aliás, por falar no sentimento de ódio que volto a sentir da elite e da burguesia, o candidato do PSDB a tudo (José Serra) conseguiu um feito inédito no Brasil nos últimos anos. Ele está criando aqui todas as raízes do fascismo e nazismo que tantos males já causaram ao mundo.


Graças ao incentivo das campanhas deste senhor José Serra, cresce no país o ódio de raça, de classes, religioso e de origens.


Como perderam na política na última década, prega-se o nojo e o fim da política.


Já tenho mais de quarenta anos, mas se a receita da direita é o fim da política e a destruição das instituições que resguardam a democracia como o executivo, o legislativo e o judiciário, vamos à guerra e VIVA A INTOLERÂNCIA!


Vamos nos eliminar! Não é isso que a elite brasileira quer - o fim da democracia e a guerra civil -, capitaneada pelo PSDB, GLOBO, FOLHA, ESTADÃO, ABRIL?


EU TOPO!


Se quiserem derrubar a classe trabalhadora com golpes no judiciário, na mídia ou de outra forma, eu topo defender os avanços conquistados para o povo brasileiro e a classe trabalhadora nesta década.


TÔ DE SACO CHEIO DESSA MERDA IMPUNE DO STF, PSDB, PIG!


William Mendes

cidadão



PS: liguei há pouco para meus pais em Uberlândia MG e minha mãe, que está com a coluna fraturada e de cama, se virou e foi votar para exercer seu direito e sua cidadania. Ela e meu pai, mesmo com vários problemas de saúde, foram votar em GILMAR MACHADO PT 13 para prefeito em Uberlândia.


Parabéns mãe e pai! Vocês são referência de vida pra mim!




Post Scriptum (30/3/16):


Pois é, o Sr. Jorge Lapas, eleito prefeito de Osasco em 2012 com o meu voto na legenda do Partido dos Trabalhadores, não na pessoa dele, anunciou nesta segunda 28/3/16 a saída do partido que o elegeu prefeito.


Que nojo deste sujeito e do que estão fazendo com a política. Traiu o meu voto de cidadão de Osasco.


Num momento em que o PT sofre um ataque nazifascista, esses ratos abandonam o navio e traem o voto dos eleitores.



"Carta aberta à população de Osasco

Meu caro cidadão,

Nas últimas semanas fui confrontado com a necessidade de uma decisão difícil. Os amigos, as pessoas mais próximas e os que acompanham de perto o meu trabalho sabem o quanto tem me angustiado a questão política em nossa cidade.

Fui eleito prefeito de Osasco pelo Partido dos Trabalhadores, ao qual fui filiado nos últimos 11 anos. Neste período, fiz grandes amigos, aprendi muito e, principalmente, encontrei pessoas dispostas a se doarem integralmente em nome da construção de nossa cidade.

São lideranças comunitárias, partidárias, lideranças religiosas, empresários e milhares de cidadãos que uniram forças ao torno do nosso projeto de cidade para que juntos pudéssemos começar uma revolução do bem em Osasco.

Nesta jornada, todas essas lideranças foram e são consultadas o tempo todo, dentro de um entendimento de que a sabedoria coletiva é muito maior do que opiniões individuais.

No entanto, o interesse coletivo e tudo que estamos construindo até aqui está ameaçado.
Como se não bastasse o momento delicado pelo qual o PT está passando no cenário nacional, no âmbito municipal a legenda vem se deixando levar por visões e interesses individuais, que dividem o partido e promovem um clima de insegurança e instabilidade em nossos aliados.

A desunião e fragilidade resultantes dessa disputa interna transmitem para aqueles que participam conosco dos avanços de Osasco, um clima de incerteza e uma mensagem que contradiz as propostas de transformação que a legenda se propôs realizar em nossa cidade.

Por isso, por ouvir a população, e em respeito ao clamor de diversos segmentos da nossa sociedade, tomei uma das decisões mais difíceis da minha vida.

Estou seguindo um novo caminho político e me filiando ao Partido Democrático Trabalhista, o PDT. A legenda, histórica na defesa dos princípios da democracia e dos direitos dos trabalhadores brasileiros, me recebeu de braços abertos.

O que torna o momento um pouco menos difícil é o fato de que não decido isso sozinho, mas apoiado pela opinião de tantas e tantas pessoas que também amam a nossa cidade.
Faço a mudança no sentido de deixar claro aos nossos aliados e a toda nossa população, que Osasco é muito maior do que um partido ou grupo político.

Tenho confiança de que nossas lideranças comunitárias, sindicais e religiosas, nossos trabalhadores e empresários e os cidadãos de bem de Osasco não vão permitir que nosso trabalho, que nosso projeto de cidade seja interrompido por um grupo de pessoas movidas apenas por interesses pessoais, pequenos demais e incompatíveis com a grandeza de nossa cidade e o futuro de nossos filhos.

Que todos possam ter a certeza de que os avanços vão continuar.

Um forte abraço,

Jorge Lapas
Prefeito de Osasco"