Páginas

30.4.07

27.4.07

Sexta, 27 de abril (Informação sobre Reforma Estatutária da Cassi)


Dia de trabalho na secretaria de imprensa da Contraf-CUT.

Trabalhei 6 horas.


-----------------------------------------

Post Scriptum:

Matéria abaixo do dia 2 de maio, da Fenabb, fala a respeito da 2ª Consulta ao corpo social da Cassi para apreciar a Reforma Estatutária da associação. A primeira votação não havia atingido o quórum necessário.

(reprodução de matéria)


Novo estatuto da Cassi vai para segunda consulta em 02/05/2007 

A primeira votação para as mudanças no estatuto da Cassi terminou nesta segunda-feira, 30 de abril. A consulta ao corpo social foi aberta no último dia 18. No total, 59.204 associados votaram favoráveis à proposta final do novo Estatuto da Cassi, formatada após acordo consensual entre Banco do Brasil, diretores e conselheiros eleitos da Caixa de Assistência, a Comissão de Empresa dos Funcionários do BB e representante dos aposentados.

Para aprovação de reforma estatutária da Caixa de Assistência em 1ª consulta, eram necessários os votos favoráveis de 95.905 associados (2/3 dos associados, que representam um total de 143.858). Como esse resultado não foi obtido, o estatuto vigente prevê que as propostas de alterações no documento podem ser aprovadas em segunda consulta, desde que esta apresente o quórum de votantes de metade do total de associados, mais 1 (um), e, destes, 2/3 (dois terços) votem favoravelmente. A segunda consulta será realizada entre 21 de maio e 1º de junho deste ano.
 
Veja o resultado da 1ª consulta:
 
 
Funcionários da
ativa
Aposentados
Total de votantes
 
%
%
Aprovaram
44.430
59,22
14.774
86,16
59.204
Rejeitaram
19.835
26,43
2.158
12,59
21.993
Brancos ou Nulos
10.772
14,35
215
1,25
10.987
Total
75.037
100
17.147
100
92.184
 
Fonte: Fenabb, com Agência Anabb


26.4.07

Quinta, 26 de abril 2007 (História da Contraf)



Agenda Sindical

Trabalho na parte da tarde na Contraf-CUT.

Trabalhei 4 horas.


----------------------------------------------

Post Scriptum (23/6/18):

Um ano antes desta postagem de prestação de contas da agenda sindical, a Contraf-CUT realizava seu 1º Congresso em Nazaré Paulista (SP). Se não me engano, foram nos dias 25 e 26 de abril de 2006.

Segue abaixo a matéria do site da Confederação. No Congresso, fui eleito Secretário de Comunicação da entidade. Me dediquei bastante em aprender sobre as responsabilidades da área. Criei os blogs que mantenho até hoje pouco depois de passar a atuar na função.

Direção da Contraf-CUT eleita em seu
1º Congresso, em abril de 2006.

(Matéria do site da Contraf)


Contraf-CUT: representar trabalhadores do ramo financeiro

(São Paulo) A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro da CUT (Contraf-CUT) realizou nesta terça e quarta-feira seu primeiro congresso, em Nazaré Paulista (SP). O objetivo foi eleger a direção da entidade e aprovar seus estatutos. O evento reuniu cerca de 300 delegados de 25 estados brasileiros e do Distrito Federal.

Criada em janeiro deste ano, em uma assembleia ocorrida no Paraná, a nova entidade já nasceu representativa e possui registro sindical desde março. Aglutina nove federações, com 110 sindicatos filiados, cuja base é composta por 360 mil trabalhadores do ramo financeiro.

A Contraf-CUT foi criada para atender a uma demanda das diversas categorias envolvidas em atividades do sistema financeiro. Muitas delas permanecem à margem da Convenção Coletiva Nacional dos bancários, embora realizem serviços contratados por empresas que fazem parte das holdings controladas por bancos.

Entre esses profissionais, além de bancários e financiários, encontram-se promotores de vendas, securitários, especialistas em tecnologia da informação, funcionários de bolsas de valores, entre outros. Estima-se que essas categorias ultrapassem um milhão de empregados, com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio (Pnad) realizada em 2004.

Ampliação de conquistas


Segundo Vagner Freitas, eleito presidente da Contraf-CUT, um dos objetivos da criação da entidade é incluir no debate e nas negociações sindicais todos os trabalhadores que fazem parte do processo de intermediação financeira com o intuito de equiparar seus direitos e ampliar suas conquistas.

"Estamos num momento histórico, em que nasce uma Confederação ampla, representante de diversos segmentos sociais. E dentro da estratégia da CUT, de ampliar a representação dos trabalhadores, enfrentando os diversos artifícios usados pelas empresas, como a terceirização e segmentação de atividades", afirma.

A pulverização dos trabalhadores brasileiros em cerca de 18 mil sindicatos nos últimos anos tornou obsoleta a organização por categoria profissional, uma vez que eles se relacionam por ramo de atividade e estão envolvidos no mesmo processo.

Os próprios bancos reconheceram essa mudança e a necessidade de criar uma entidade sindical patronal do ramo para representá-los: a Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif).

Fonte: Contraf, com adaptações do blog

25.4.07

Quarta, 25 de abril 2007 (História da Contraf)


Agenda Sindical

Trabalho na parte da tarde na imprensa da Contraf-CUT. Também tivemos reunião entre o BB e nós, no Seeb SP para tratar da CCP - Comissão de Conciliação Prévia.

Trabalhei 6 horas.


---------------------------------------------

Post Scriptum (23/6/18):

Registro abaixo algumas fotos do 1º Congresso da Contraf-CUT, ocorrido um ano antes desta postagem de prestação de contas da minha agenda sindical. 


1º Congresso da Contraf-CUT completa um ano

O Congresso ocorreu em Nazaré Paulista em 25 e 26 de abril de 2006. Contou com a presença de cerca de 300 participantes de todo o país, e nele fui eleito Secretário de Comunicação da Confederação.

William Mendes, no 1º Congresso da Contraf-CUT.

A contraf-CUT foi criada pela necessidade de ampliar a organização dos trabalhadores do ramo financeiro porque os bancos vão se organizando de forma a reduzir seus custos com os direitos dos bancários via terceirização, quarteirização, precarização, correspondentes bancários, pejotização, ampliação de tecnologia, dentre outras modalidades.

Tive o privilégio de fazer parte desta história da categoria bancária, uma das mais organizadas da classe trabalhadora brasileira. A partir da criação da Central Única dos Trabalhadores (organização mais horizontal), os bancários foram se organizando também como categoria dentro da Central, criando um departamento dentro da CUT (BNB/CUT) e depois uma Confederação CUTista (CNB/CUT).

William Mendes com os companheiros de Direção da Contraf-CUT,
Miguel Pereira, Vagner Freitas, Carlos Cordeiro e Plínio Pavão.

Com a organização nacional da categoria bancária a partir dos anos 80, os bancários conquistaram a primeira e única Convenção Coletiva Nacional (CCT) de uma categoria profissional.

Secretário de Comunicação da Contraf-CUT, apresenta o site e
o significado do símbolo da Confederação. Olhando de cima,
vemos um abraço da categoria mais organizada, os bancários,
nas categorias menos organizadas do ramo financeiro.

Assumi a responsabilidade de ser o Secretário de Imprensa da Contraf-CUT entre 2006/09, que passaria a substituir uma marca muito conhecida dos trabalhadores brasileiros, a CNB, e contamos com o apoio de toda a direção da Confederação e dos profissionais que trabalharam conosco.

Fonte: informações do blog

17.4.07

Cassi: Contraf e Comissão de Empresa apoiam novo estatuto


Comentário do blog:

Esta postagem foi atualizada em 07/9/15, ao pesquisar a Cassi no site da Contraf-CUT. Eu também utilizo meu blog para guardar textos importantes ou históricos. Neste momento de novos debates sobre  a Caixa de Assistência, toda informação é relevante.

William Mendes
Diretor eleito de Saúde e Rede de Atendimento


-----------------------------------------------

(Matéria da Contraf-CUT - 17/04/2007)


(São Paulo) Na última sexta-feira, dia 13, o Conselho Deliberativo da Cassi decidiu em reunião extraordinária atender às reivindicações da Contraf-CUT e da Comissão de Empresa, garantindo a democracia e a transparência da gestão da Cassi. Entre as demandas, estão a manutenção da necessidade de votação pelo Corpo Social do relatório de prestação de contas, cláusula de transição para as exigências para concorrer a cargos na Cassi e melhor detalhamento da cláusula dos dependentes indiretos, fechando brechas para que o banco não fuja dessa dívida.

Dessa forma, a Contraf-CUT e a Comissão de Empresa dos funcionários recomendam a aprovação da proposta de novo estatuto. “Entendemos que se chegou ao resultado possível nas negociações, principalmente porque precisamos implementar o acordo que vai resolver os problemas de custeio da Cassi”, afirma Marcel Barros, coordenador da Comissão de Empresa.


VOTAÇÃO

A votação sobre o novo estatuto da Cassi acontecerá entre os dias 18 e 30 de abril. O pessoal da ativa pode votar pelo SisBB, enquanto aposentados e pensionistas podem participar pelo telefone 0800-729-0808.


Veja os principais pontos do acordo de custeio

Contribuição

Imediata regularização do percentual de recolhimento da contribuição patronal sobre o salário dos funcionários admitidos a partir de 1998, conforme reza o artigo 21 do estatuto da Cassi.

Déficit

Assunção pelo Banco do Brasil do déficit operacional dos dependentes Indiretos.

Fator Moderador

Instituição de fator moderador em exames laboratoriais e radiológicos, respeitados aspectos técnicos e limitados a 1/24 do salário bruto.

Plano Odontológico

Introdução da cobertura assim que verificado o equilíbrio do plano.

Integralização

Aporte de 300 milhões para investimento em serviços próprios, implementando o projeto de saúde da família. Serão quatro parcelas: 150 milhões em 2007 e mais 3 parcelas de 50 milhões corrigidos pelo INPC.

Estatuto

Reforma estatutária contemplando a negociação de aspectos relacionados a modelo de gestão e mecanismo de custeio, entre outras atualizações necessárias.


Fonte: Contraf-CUT


---------------------------------------------------------------------

AGENDA SINDICAL (de 17/04/07)

Dia de trabalho na Contraf-CUT. Trabalhei 9 horas.

9.4.07

BB: Contraf-CUT quer discutir o estatuto da Cassi


Comentário do blog:

Esta postagem foi atualizada em 25/8/15, ao pesquisar a Cassi no site da Contraf-CUT. Eu também utilizo meu blog para guardar textos importantes ou históricos. Neste momento de novos debates sobre a Caixa de Assistência, toda informação é relevante.

William Mendes
Diretor eleito de Saúde e Rede de Atendimento

-----------------------------------------------


(Matéria de 09/04/2007, da Contraf-CUT)



BB: Contraf-CUT quer discutir o estatuto da Cassi


(São Paulo) A Contraf-CUT enviou uma carta ao Banco do Brasil revelando suas discordâncias sobre a proposta para o novo estatuto da Cassi, apresentada pelos conselheiros da Caixa de Assistência. A Contraf-CUT solicitou a imediata abertura de mesa de negociação para discutir os pontos divergentes.

“A negativa desse banco em discutir significará de nossa parte a orientação pela rejeição da proposta de estatuto pelo corpo social da Cassi, uma vez que não corroboraremos com um texto que exclui e restringe a participação do funcionário na vida da entidade tão importante para todos nós”, diz a carta.

Confira abaixo a íntegra do documento.


Ao

Banco do Brasil S/A

Vice Presidência de Gestão de Pessoas

Sr. Luiz Oswaldo Sant´iago Moreira de Souza

No último dia 3 de abril, os membros do Conselho Deliberativo da Cassi finalizaram e aprovaram o texto de um novo estatuto a ser submetido a votação do corpo social no período de 18 a 30 deste mês. Durante dois anos houve intensa negociação sobre os problemas que afetam nossa Caixa de Assistência, sendo que, no início deste ano, chegamos a um consenso quanto à forma de custeio para equilibrar as contas do Plano Associados. Tais negociações contaram com a Coordenação desta Confederação e, dentro dos princípios da democracia, agregamos diretores e conselheiros eleitos e representante dos aposentados. Nos últimos dias diversas reuniões foram realizadas no sentido de sensibilizar os membros do Conselho Deliberativo quanto a pontos do estatuto revisando com os quais o movimento sindical tem discordância, especialmente pelo fato de as negociações não terem se aprofundado no debate dos temas estatutários, mas sim nos de custeio.

Entre os pontos que esta Confederação discorda da proposta de estatuto apresentada pelos conselheiros da Cassi destacam-se:


1. A retirada do artigo 24 do estatuto atual, que versa sobre a consulta ao corpo social do relatório anual; Tal retirada vem acompanhada da auto concessão da prerrogativa de deliberar sobre as contas, ferindo o princípio da democracia e alijando o corpo social do direito de votar as contas da entidade que custeia.

2. As exigências impostas para que os associados possam concorrer a cargos eletivos dentro da Caixa de Assistência. No texto aprovado há que se ter curso superior completo para concorrer a qualquer cargo. Tal exigência restringe o direito do associado, especialmente pelo fato de muitos dos associados, especialmente aposentados, não terem curso de nível superior, o que não significa demérito, uma vez que muitos deles se aposentaram na qualidade de gestores do Banco do Brasil.

3. Exclusão do corpo do estatuto da referência aos dependentes indiretos, remetendo a questão para proposta de contrato a ser apresentada pelo Banco do Brasil. A proposta de estatuto exclui um ponto polêmico, sobre o qual o banco somente agora aceitou discutir sua responsabilidade e, da forma como foi redigido fragiliza a responsabilidade do banco, bem como pode, no futuro, administradores do banco querer rediscutir a questão.

4. Inexistência de artigo regulando a transição dos atuais eleitos. O Conselho Deliberativo tem poderes, pelo estatuto proposto, de cassar mandato de membros eleitos por decisão administrativa, sem antes haver processos condenatórios dos dirigentes. A confederação não concorda que a reforma casse o mandato de nenhum membro eleito, a tentativa do conselho de cassar por meio da reforma estatutária mandato, encontrará resistência, tanto de quem foi eleito, quanto desta confederação. Isto porque, esse tipo de procedimento fragiliza a credibilidade de qualquer que seja a entidade.

Temos ainda o fato de o tempo para debate com o corpo social ser reduzido em demasia. Uma mudança estatutária de tal porte requer debate amplo para sensibilizar o corpo social quanto aos motivos e consequências das mudanças propostas. Assim sendo, torna-se necessário rever o período de votação.

Diante dos fatos acima, esta Confederação e seus Sindicatos Filiados, solicitam imediata abertura de mesa de negociação para discutir pontos do estatuto para os quais não há concordância. A negativa desse banco em discutir os pontos acima, significará de nossa parte a orientação pela rejeição da proposta de estatuto pelo corpo social da Cassi, uma vez que não corroboraremos com um texto que exclui e restringe a participação do funcionário na vida da entidade tão importante para todos nós.

Marcel Juviniano Barros
Coordenador Comissão de Empresa
Fonte: Contraf-CUT

--------------------------------------------------


AGENDA SINDICAL (09/4/07)

Trabalho na parte da tarde. Irei à posse de colegas novos do BB. Depois estarei no Sindicato.

Trabalhei 6 horas.