Páginas

3.5.16

Opinião e agenda do Diretor de Saúde



Post Scriptum (sábado, 7 de maio, 15:45h):

Na quinta e sexta, trabalhamos em Brasília também. 

Na quinta, tivemos uma boa videoconferência com nossos gestores nos Estados para abordar diversos temas de gestão na Cassi. Agradecemos mais uma vez a parceria com o BB e a Gepes DF por partilhar o espaço para as videoconferências.

Ainda na quinta de manhã, tivemos reunião entre os diretores indicados e eleitos. Nesta semana, foram três dias de debates na Diretoria Executiva.

Na sexta, tomei um café da manhã com liderança política da comunidade BB para fortalecer o apoio à nossa luta pela Cassi e pelos associados que representamos e à tarde trabalhamos na sede da entidade.

Trabalhamos a semana toda em Brasília e na semana que vem teremos uma agenda inversa, com ida a vários locais no interesse da nossa Cassi.

William Mendes
Diretor de Saúde e Rede de Atendimento (eleito)



Post Scriptum (quarta, 4 de maio, 22:20h):

Olá pessoal,

Nesta quarta 4, trabalhamos na sede da Cassi até umas 19h. Tivemos a continuação da reunião de Diretoria Executiva que começou na terça. Também tive outras reuniões de trabalho.

Na terça 3, saí da Cassi às 17h. Decidi trabalhar só 8 horas porque estava bem esgotado.

Nesta quinta, terei agenda cheia também.

Boa noite a tod@s,

William Mendes





Olá companheir@s, amig@s e colegas do Banco do Brasil,

Nesta semana de trabalho, estarei em Brasília.

Na segunda-feira tivemos aquele longo dia de trabalho com leitura da pauta da reunião semanal da Diretoria Executiva da Cassi. Para a reunião desta terça, foram mais de 30 itens, além de duas outras atas com dezenas de itens avaliados na semana anterior pelo nosso Conselho Deliberativo. 

Comecei as leituras bem cedo na segunda, e além de um intervalo de algumas horas para me reunir com diversos gestores nossos da Cassi que se encontram em Brasília para um seminário da Unidas (União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde), fui terminar o estudo da pauta à 1h da manhã desta terça.

Como temos explicado para o conjunto dos associados, para suas entidades representativas da ativa e aposentados e para o nosso copatrocinador Banco do Brasil e seus gestores nos Estados, a crise no setor saúde está com tendência a ser de longo prazo e quanto mais nós todos da comunidade BB nos unirmos para fortalecer a nossa autogestão Cassi e mantermos os direitos em saúde que temos, além de educar melhor nossa população de mais de 700 mil vidas para o uso adequado da Cassi, melhor será para todos nós.

As informações desta semana em relação ao setor dão conta de que só nos últimos 12 meses, mais de 1,3 milhão de pessoas deixaram de ter plano de saúde e o setor que já teve 52 milhões de participantes há dois anos, está agora com 48,8 milhões de pessoas. Todo o restante da população brasileira, ou seja, mais de 150 milhões de cidadãos, têm o SUS como única forma de atendimento às suas demandas de saúde.

Outro dado do setor chama a atenção: o gasto com judicialização no setor dobrou em 2 anos. Essa conta é e será impagável para qualquer plano de saúde. A justiça tem mandado os planos cobrirem eventos que não estão previstos, mandam os planos fornecerem medicamentos de meio milhão de reais que sequer são autorizados no Brasil e por aí vai. Tem participante da Cassi que pede milhares de reais de "dano moral" em eventos dos quais muitas vezes a Cassi não é culpada por não ter naquela região nenhum prestador de serviços de saúde. Falta mais diálogo entre todos e eu tenho pedido que as pessoas conversem mais e busquem soluções dialogadas nas unidades Cassi.

Eu tenho percorrido o país, visitado os gestores do nosso copatrocinador BB e pedido apoio para atuarmos fortemente com os 100 mil participantes da ativa, porque as pessoas são carentes de informações sobre o que é a Cassi, como funciona o nosso modelo de saúde de prevenção e promoção de saúde, os porquês de não termos às vezes rede credenciada ou especialistas nas regiões etc. Já fomos em 2016 em nove Estados para conversar com o Banco, com as entidades representativas e atuar em defesa da Cassi e dos próprios associados e familiares, que são vítimas da crise e das fraudes do setor de saúde.

Também fiz esse trabalho informativo ao longo desses dois anos de mandato como Diretor de Saúde eleito, inclusive nas Conferências de Saúde onde falamos com mais de 3 mil associados em 2015. Vamos seguir buscando unidade entre todos da comunidade BB porque a Cassi é importante demais para nós. E afirmo com convicção que a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Sistema Integrado de Saúde são as melhores perspectivas para o uso adequado dos recursos da Cassi e atendimento de qualidade aos associados. MAS EU PRECISO DE INVESTIMENTO PARA AMPLIAR A COBERTURA DO MODELO AO CONJUNTO DA POPULAÇÃO CASSI.

Por fim, é fundamental que a Contraf-CUT e a Contec, junto com as demais entidades representativas convidadas à mesa, contatem o Banco do Brasil para retomarmos as negociações para encontrarmos uma solução para o custeio e a sustentabilidade de nosso plano de saúde dos funcionários, o Plano de Associados.

Eu sigo à disposição para opinar e dar minhas contribuições no que entendo ser o melhor para os associados e para a nossa Caixa de Assistência.

Boa semana a todos os meus pares da classe trabalhadora.

William Mendes
Diretor de Saúde e Rede de Atendimento (eleito)

Nenhum comentário: