Páginas

24.3.17

Cassi - Diretor de Saúde se reúne com o Conselho de Usuários (RJ)


Reunião com o Conselho de Usuários da Cassi RJ.

Contato com a base social é foco de nosso mandato de representação


Olá prezad@s associados e participantes Cassi e companheir@s de lutas,

Tivemos nesta semana duas agendas da Diretoria de Saúde e Rede de Atendimento que compensam todos os dissabores e tristezas que temos experimentado com frequência em relação às questões internas da burocracia da nossa Caixa de Assistência e em relação ao contexto político, econômico e social de nosso País.

Presto contas da primeira dessas agendas positivas para a Cassi e seus participantes, porque elas alimentam nossa bateria para seguir lutando pelos associados da Cassi e seus direitos de custeio do plano, cobertura, de participação social e de governança na autogestão (direitos políticos dos associados).


A outra agenda da Cassi e da Diretoria de Saúde e Rede de Atendimento é em relação à Saúde dos Trabalhadores do Banco do Brasil, mas farei matéria específica sobre ela.


REUNIÃO COM O CONSELHO DE USUÁRIOS DA CASSI RJ

Nesta quinta-feira 23 pela manhã, estivemos no Rio de Janeiro para a cerimônia política de nomeação da nova gerência da Unidade Cassi RJ. A Caixa de Assistência tem unidades administrativas em todos os Estados e no Distrito Federal, além das unidades de atendimento em saúde, as CliniCassi. 


A Diretoria de Saúde e Rede de Atendimento é responsável por esta estrutura própria da Cassi e faz questão de realizar esses eventos para estreitar as parcerias com a comunidade local. O funcionário Ricardo Tavares assumiu a gestão da Unidade e o evento contou com participação expressiva de lideranças e representações, tanto do Estado quanto de outras bases sociais da Cassi.

Na parte da tarde, tivemos o prazer de participar da reunião do Conselho de Usuários da Cassi RJ. Eu faço questão de aproveitar qualquer oportunidade que tenha para me reunir com as lideranças e entidades representativas dos associados da Cassi e dos trabalhadores da ativa e aposentados do Banco do Brasil, para prestar contas de nosso mandato de representação, dar informações, ouvir questionamentos e sugestões e reforçar a participação social em nossa autogestão em saúde. 

PRIORIDADE NA GESTÃO COMO ELEITO - Este foi o meu 4º encontro com os Conselhos de Usuários da Cassi em 2017. Já estive com os conselheir@s do DF, SP, RN e RJ e esta sempre foi uma de minhas prioridades no mandato, desde o primeiro mês de representação, chova ou faça sol, com recursos liberados para atuar (o que seria o esperado para a Diretoria que responde pela gestão da rede de Unidades da Cassi) ou sem recursos orçamentários adequados.

Além de prestar contas do último período que tivemos na Cassi, entre o fim do processo negocial sobre a sustentabilidade do Plano de Associados da Cassi - Memorando de Entendimentos, Consulta ao Corpo Social, Convênio de Cooperação Técnica Cassi e BB -, também demos a nossa opinião de gestor eleito sobre as perspectivas de futuro para a Cassi, e das próximas etapas de lutas que teremos enquanto associados da autogestão Cassi. 

Um bom exemplo do período em questão é a Revisão Orçamentária (2017) para tentar obter recursos para a Diretoria de Saúde e Rede de Atendimento (responsável pelas políticas do Modelo de Atenção Integral à Saúde, ESF/CliniCassi) e para a Diretoria de Planos de Saúde e Relacionamento com Clientes (responsável pela Regulação, Rede Prestadora, Planos de Saúde e Central Cassi). Até o momento, as áreas dos eleitos, responsáveis pelas atividades-fim da Cassi, estão sem orçamento adequado para empreender as melhorias necessárias para o sistema de serviços de saúde da Cassi e esperadas pelos associados.

Também prestamos contas a respeito dos temas relativos à participação social e Conselhos de Usuários, Conferências de Saúde, Regimento Interno dos Conselhos, dentre outras questões.


A reunião foi muito boa. Agradeço o espaço e reforço meu compromisso com os Conselhos de Usuários e com as entidades representativas dos associados.

William Mendes
Diretor de Saúde e Rede de Atendimento (mandato 2014/18)

21.3.17

Cassi - Opinião e prestação de contas do Diretor de Saúde



Visita ao Sindicato dos Bancários de Brasília para uma
prestação de contas do mandato de representação
dos bancários do BB a esta importante entidade.

Olá prezad@s associados e participantes da Cassi e companheiros de lutas,

Estamos vivendo tempos duros para o povo trabalhador brasileiro. Tempos de ataques aos direitos trabalhistas, previdenciários, ataques aos direitos sociais como saúde e educação públicas, direitos políticos como democracia e liberdade de expressão; estamos falando de direitos humanos. 

Nosso mundo social está se desmanchando como castelos de areia em meio a tempestades, após o Golpe de Estado que o Brasil sofreu pelo fato dos perdedores da eleição presidencial de 2014 não respeitarem a democracia duramente conquistada pelo povo.

Eu sou um cidadão representante de trabalhadores. Sou gestor em entidade de saúde de trabalhadores, eleito por eles para defender seus direitos na autogestão Cassi, direitos em custeio, em cobertura e no poder de gestão na entidade.

Imaginem a minha dificuldade em disputar espaço na agenda de lutas das entidades dos trabalhadores em luta contra os ataques gravíssimos aos direitos do povo brasileiro. Mas eu não posso deixar de pedir apoio para a Cassi e os direitos dos associados, porque sem as entidades de representação dos participantes e sem as lideranças deles, não conseguiríamos deter a ofensiva que o patrão fez após 2014 para transferir para os trabalhadores déficits antigos do Plano de Associados.


A Cassi da Atenção Integral, da Estratégia Saúde da Família (ESF) com CliniCassi e do Custeio Mutualista Intergeracional Solidário é mais que um trabalho, é uma causa, é uma militância

Fazer o mandato como decidi fazer desde o dia 1º de junho de 2014 é praticamente uma profissão de fé, é acreditar em princípios, concepções e práticas de representação que aprendi durante minha vida de dirigente sindical, é ter uma ética e segui-la durante cada dia, cada mês, cada ação e cada decisão que tomo em nome do mandato de representação dos associados da Cassi, onde sou Diretor de Saúde e Rede de Atendimento.

Os dias do mandato nunca foram tranquilos, porque entrei no meio de uma crise, construí estratégias para defender os associados e a Cassi em meio a crises, e o mundo e as crises foram piorando ao meu redor, porque o mundo está se desmanchando. Quando olho o cenário em cada um dos anos em que já estive à frente de nossa Cassi, vejo o quanto o quadro foi adverso em cada momento. Mas fico contente, porque nossas estratégias foram exitosas, considerando os contextos.

Por que fiz essa introdução? Porque ao mesmo tempo em que estou avaliando tudo que fizemos pela defesa e fortalecimento da Cassi e dos direitos dos associados (em custeio, em cobertura e na gestão "paritária"), seguimos diariamente com os mesmos princípios, concepções e práticas e com a ética no fazer representativo. E seguimos sofrendo ataques internos durante a gestão.

Nesta semana, estive no Sindicato dos Bancários de Brasília, por meia hora, prestando contas de nosso mandato, falando a respeito da Cassi para dar informação qualificada aos representantes dos trabalhadores, e pedindo apoio para as lutas que virão, porque todo dia é preciso lutar pela Cassi e pelos associados, por mais que a ampla maioria não tenha noção disso.

Eu faço essa opção de ir às bases sociais, aos Estados e DF (todos, sem discriminação), às entidades representativas, aos Conselhos de Usuários, aos espaços do Banco do Brasil, desde o primeiro dia e vou fazer isso até o último dia do mandato. As pessoas que represento não têm a menor ideia do que enfrento todos os meses por fazer diferente do que faziam antes, por contestar, por incomodar, sobretudo o patrão. 

Até criminalizar o meu fazer de representação já tentaram, o fazer política transparente e nas bases como faço, vivem tentando me impedir. Mas não vão me calar, me impedir de ir às bases, de defender direitos dos associados, por mais que isso nos canse, não vão me calar e me amarrar.

Nesta semana, ainda irei em mais bases sociais da Cassi. Neste mês, idem. Nos meses seguintes, idem. Minha ética de representação traz como consequência, jornadas de trabalho integrais - manhã, tarde e noite. Mas a gente foi eleito para fazer diferente do que faziam antes. Podem ter feito melhor ou pior que nós, mas tenho o meu jeito de representar pessoas, ideias e causas.

É isso. Abraços aos meus pares da classe trabalhadora.

William Mendes
Diretor de Saúde e Rede de Atendimento (mandato 2014/18)

17.3.17

Planejamento Estratégico e Atitude como base de nosso mandato na Cassi




"Princípios Básicos e Valores


A Cassi identificou e ratificou os princípios e os valores, como a responsabilidade, a cooperação, o respeito, a justiça, a confiança, a transparência, a imparcialidade e a civilidade, que devem reger cada relação, interna ou externa, de maneira a fundamentar suas proposições e estratégias para inspirar e manter a confiança e a credibilidade perante seu propósito e seus públicos.

Os funcionários da Cassi devem conduzir suas atitudes baseados neste Código, tornando-se condutores da ética e principais responsáveis pela sua disseminação e assimilação. Os usuários, prestadores de serviços de saúde, parceiros, associações, mídia e a sociedade, em geral, são também estimulados, através do exemplo dado pela Cassi, a adotarem princípios que se baseiam, incondicionalmente, na transparência, justiça, respeito, igualdade e equidade..." (Código de Ética da Cassi, disponível no site da entidade)


Olá prezad@s associados, participantes e companheir@s de lutas,

Inicio aqui a minha postagem 482ª como Diretor eleito de Saúde e Rede de Atendimento da Cassi, maior autogestão em saúde do País, gerida em modelo compartilhado entre eleitos pelos associados e indicados pelo patrão, o Banco do Brasil S.A.

Nesta semana, tivemos na Direção da Cassi uma oficina de Planejamento Estratégico, que avalio como uma oficina exitosa porque foi marcada pela busca de consensos na ratificação da Missão, dos Princípios e Visão de Futuro da Caixa de Assistência e pela atualização das Expectativas e Objetivos Estratégicos para os próximos anos.

Dois vídeos curtos, disponíveis na rede mundial de computadores, foram utilizados em cada período, manhã e tarde. Eu gostei dos vídeos e reproduzo eles aqui na postagem.


PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO




Eu via a Cassi como uma desconhecida da Comunidade Banco do Brasil, inclusive em uma parcela das lideranças dos associados e participantes e suas entidades de representação. Às vezes, a Cassi leva má fama ou é responsabilizada por questões externas a ela, e quanto mais informação aos usuários do sistema de serviços de saúde Cassi, melhor perspectiva de pertencimento e atuação nos problemas.

Neste período de exercício de mandato em nome dos associados da Cassi, foram 88 postagens em 2014, 208 em 2015, 161 em 2016 e 24 neste ano de 2017. A ampla maioria das postagens trataram de temas afetos à saúde; ao modelo assistencial da Cassi, incluindo Estratégia Saúde da Cassi (ESF), Atenção Primária e CliniCassi; aos direitos dos associados, entendendo direitos de forma ampla, ou seja, direitos no custeio, nas coberturas, na gestão compartilhada; direitos sociais, políticos e trabalhistas dos associados e participantes da Cassi e direitos à informação e prestação de contas de um representante eleito. Eu informo, presto contas e opino sobre questões diversas e apresento textos que acho importantes para os leitores.

Além das postagens neste Blog desde junho de 2014, fizemos até o momento 31 boletins - Prestando Contas Cassi -, cuja edição 32 sairá na próxima semana. Os boletins têm como públicos destinatários, além dos próprios associados, as lideranças e as entidades representativas dos associados e participantes da Cassi e trabalhadores bancários e da comunidade Banco do Brasil. Era um compromisso de transparência e melhoria no conhecimento sobre a Cassi que tracei para o mandato e vamos cumprir até o último mês, em maio de 2018.

O vídeo com o garotinho sobre planejamento estratégico é bem interessante. Quando cheguei à gestão desta autogestão, tinha como uma meta, um objetivo de mandato na Diretoria de Saúde e Rede de Atendimento, tornar a Cassi mais conhecida de seu próprio dono, os associados, fortalecendo a informação sobre o Modelo de Atenção Integral à Saúde, a ESF, as CliniCassi, a Atenção Primária, a promoção de saúde e prevenção de doenças, o custeio mutualista solidário intergeracional, e outros eixos fundantes desta Caixa de Assistência, como a participação social, tão bem expressa através dos Conselhos de Usuários da Cassi. Eu tenho a leveza de espírito e a consciência de que persigo esses objetivos e meu planejamento é seguido diuturnamente para que o público Cassi conheça mais a entidade e tenha pertencimento. Meu dia a dia de mandato comprova isso.


ATITUDE É TUDO - MOTIVAÇÃO



Este segundo vídeo que vimos do garotinho é muito legal. 

Estamos na parte final de nosso mandato na Cassi, e o Diretor de Saúde e Rede de Atendimento, responsável pela estrutura própria administrativa nos Estados/DF e de atendimento à saúde - CliniCassi - passou a maior parte da gestão sem um orçamento em que tivesse participado da construção dele, defendendo o ponto de vista nos recursos para investimentos nas áreas afetas à saúde do sistema de serviços de saúde da Cassi.

Não tive recurso sequer para exercer questões básicas de minha área. Da mesma forma que o garotinho do vídeo, não ficamos parados esperando algo acontecer. Nós tivemos participação ativa para mobilizar o movimento sindical e associativo em não aceitar teses prontas de que o déficit do Plano de Associados da Cassi deveria ser arcado somente pelos associados, aumentando mensalidades e cortando direitos, como proposto internamente em 2014 e através do Fundo excluindo a responsabilidade do Banco com os aposentados no Plano e sem participação do patrão-patrocinador no déficit (2015), e avançamos para uma proposta (set/2016) com contribuições das duas partes na busca de equilíbrio e sustentabilidade do plano de saúde dos trabalhadores, sem perda de direitos.

Também tivemos atitude quando nossa Diretoria, que é responsável por incentivar e apoiar as Conferências de Saúde e os Conselhos de Usuários, não teve disponibilizados recursos para a realização desses fóruns de voluntariado e participação social. Como fez o menininho, jogamos a mochila no chão e fomos atrás de apoios para tirar a trave ou as árvores do caminho e fizemos 27 Conferências de Saúde em 2015 e 2016, com o apoio das entidades representativas e com meus próprios recursos. Também fizemos trabalho de gestão nas unidades administrativas e CliniCassi, que sou responsável, e buscamos cooperação e parcerias nos Estados/DF (o Brasil é continental!), atuando para trazer mais confiança na Cassi e me esforçando para cumprir o que diz nosso Código de Ética, me balizando pela transparência e ética na representação dos associados.

Os vídeos são muito bonitos. Em geral, os públicos que o veem como inspiradores e motivacionais se emocionam com eles, mas a realidade às vezes é diferente. Parece que o esforço que fiz e continuo fazendo para ser um diretor eleito prestando contas aos associados que representamos é algo ruim, fora do padrão (alguns não estavam acostumados). 

Enfim, o padrão de não ir à base social que representa, para prestar contas, nunca foi o meu padrão, e não pretendo me tornar um burocrata. Não importa o que inventem para tentar cercear o meu direito de representar, prestar contas e estar ao lado dos associados e suas entidades representativas, como já aconteceu ao longo de nosso mandato, com as árvores que tivemos que tirar do caminho (com diversos apoios solidários).

Fica aqui a minha declaração de princípios, que guarda coerência com o Código de Ética da Cassi e com os Princípios da entidade (ambos disponíveis no site), e assim será enquanto for gestor eleito para representar os associados desta autogestão em saúde. 

William Mendes
Diretor de Saúde e Rede de Atendimento (mandato 2014/2018)

14.3.17

Prestando Contas Cassi - Agenda do Diretor de Saúde





"Assegurar ações efetivas de atenção à saúde por meio de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação, para uma vida melhor dos participantes."
(missão da Cassi)


Olá prezad@s associados, participantes e companheir@s de lutas,

Esta é uma semana de trabalho daquelas das quais sabemos que teremos jornadas de manhã, tarde e noite todos os dias.

Na segunda-feira, continuei os estudos e pesquisas que havia começado na sexta-feira passada, para concluir temas em debates internos no âmbito da governança da Cassi. Passei mais de vinte horas focado nestes estudos.

Estamos encerrando o dia de terça-feira agora às 20:30h. Foi dia de reunião de Diretoria Executiva e alguns temas demandaram bastaste de todos. Só finalizamos manifestações sobre determinados temas ao final do dia. 

Um tema leve e agradável que discutimos hoje foi a importância dos Conselhos de Usuários da Cassi, este fórum relevante de voluntariado da comunidade Banco do Brasil, que fortalece a participação social e o pertencimento à nossa autogestão em saúde.

Nesta quarta-feira teremos uma oficina de Planejamento Estratégico com toda a governança. Esses processos de gestão são consequências e desdobramentos da busca de soluções para a sustentabilidade da Cassi, para a definição das melhorias de gestão e fortalecimento da instituição para os desafios que estão colocados no setor de saúde suplementar brasileiro. 

Lembro a vocês que uma parte importante de nossos problemas (rede prestadora, custo da despesa assistencial, legislação) são oriundos de causas externas à Cassi, ou seja, de sua relação com o mercado de saúde e todos os seus problemas.

Na quinta e sexta-feira teremos a reunião mensal do Conselho Deliberativo da Cassi. É um momento importante de interação entre os Conselheir@s e os Diretores e suas equipes. Reforço publicamente o meu clamor para que haja UNIDADE entre os eleitos representantes do corpo social.

Finalizei hoje com nossas equipes de trabalho a produção do Boletim Prestando Contas Cassi nº 32, que será disponibilizado na próxima semana, abordando Saúde dos Trabalhadores e os Exames Periódicos de Saúde 2017. 

Enfim, é uma semana em que trabalhamos por baixo umas 60 a 70 horas ou mais em defesa dos direitos dos associados e da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil, maior autogestão brasileira.

A Política e a Economia em nosso País e no mundo podem estar passando por momentos duros, e temos presenciado maus momentos em relação aos valores que tanto prezamos como, por exemplo, a solidariedade, o amor, a amizade, a tolerância, o respeito mútuo, a justiça e a igualdade, e outros valores do mundo humano, mas nós acreditamos no trabalho que realizamos na Cassi em nome dos associados e colocamos toda a nossa energia nessa missão.

Abraços,

William Mendes
Diretor de Saúde e Rede de Atendimento (mandato 2014-18)

10.3.17

Cassi - Agenda do Diretor de Saúde (semana foi cansativa)





Olá prezad@s associados e participantes da Cassi e companheir@s de lutas,

Estamos fechando a semana de trabalho. Estou bastante cansado. De verdade! 

A semana foi toda de agendas na sede da Cassi em Brasília. 

Tivemos duas reuniões de Diretoria Executiva com pautas a estudar, debater e deliberar, com construção de votos e manifestações. Tivemos reuniões debatendo temas complexos e com pontos de vista diferentes entre a metade da governança eleita pelos associados e a indicada pelo patrão Banco do Brasil. Dormi muito pouco e fiquei horas lendo e escrevendo, inclusive nas madrugadas.

Tivemos a primeira mesa de prestação de contas da Cassi para o Banco do Brasil e as entidades representativas que firmaram o Memorando de Entendimentos (ler AQUI), fruto de um processo negocial que ajudamos a construir em dois anos de lutas para que o patrão Banco do Brasil também colocasse recursos na solução do déficit do Plano de Associados da Cassi. 

A mesa de quarta-feira 8 foi antecedida por uma boa reunião preparatória na Anabb entre nós eleitos e as entidades e lideranças. Naquele fórum, que considero estratégico, fui franco e direto com as entidades sobre questões que me preocupam para este período de 3 anos (2017, 2018, 2019) e dei minhas opiniões sobre estratégias e apontei o que pensamos em relação à defesa dos direitos dos associados e do modelo assistencial da Cassi: Atenção Primária/ESF/CliniCassi.

Hoje fizemos uma boa reunião gerencial e de planejamento da Diretoria de Saúde e Rede de Atendimento. Desde que cheguei à área de saúde, estabelecemos metodologia de gestão colegiada, onde todas as gerências devem interagir e conhecer as demais áreas, além de seus conhecimentos técnicos. Temos um trabalho conjunto muito focado e com pertencimento sobre a Cassi, seus objetivos, desafios a superar e visão de futuro na ampliação da promoção de saúde, prevenção de doenças e acompanhamento de crônicos para o conjunto dos assistidos por nós. Encaminhamos várias táticas de trabalho para as próximas semanas e semestre.

Vamos fechar a semana, estou no meio de estudos, textos e votos que vou apresentar para a próxima segunda e terça-feira. Mas estou bem cansado e vou parar para um respiro. 

Quero de público agradecer o empenho e dedicação de toda a nossa equipe de trabalho, tanto na sede quanto nas unidades da Cassi nos Estados e DF. Nós usuários da Cassi estamos protegidos por um conjunto de trabalhadores muito abnegados na Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil.

Bom final de semana a tod@s os meus pares da classe trabalhadora.

William Mendes
Diretor de Saúde e Rede de Atendimento (mandato 2014/18)

9.3.17

Realizada primeira mesa de prestação de contas entre Cassi, BB e entidades representativas


(reprodução de matéria da Contraf-CUT)

Mesa entre Cassi, BB e entidades representativas.
Foto: Guina Ferraz.

Aconteceu nesta quarta-feira (08), em Brasília, a primeira mesa de prestação de contas entre as Entidades de Representação dos Funcionários e Aposentados do BB, Diretoria da Cassi e Banco do Brasil.

A Mesa de Prestação Contas com entidades está prevista no Memorando de Entendimentos assinado em outubro do ano passado, fruto da negociação que gerou a consulta extraordinária ao Corpo Social.

Na reunião, a Cassi apresentou um cronograma das atividades até o momento, envolvendo a construção de convênio entre Banco e Cassi, o valor dos recursos e a sistemática de ressarcimento de serviços apresentada ao BB, para que valor de R$ 23 milhões mensais previstos fossem reembolsadas nos meses de janeiro e fevereiro/2017, correspondentes a dezembro de 2016 e janeiro de 2017.

O Banco informou sobre a contratação de consultoria especializada para analisar, revisar e desenvolver processos, projetos e ações de melhoria no modelo de gestão e operação da Cassi.

Foi esclarecido que os processos de recrutamento e seleção já acontecem na Cassi com normativos e alçadas definidas, bem como a avaliação de desempenho. Contudo, o trabalho da consultoria será no sentido de aprimorar os modelos já existentes, com os aperfeiçoamentos necessários. Foi informado pela Cassi que está sendo estudado o desenvolvimento de aplicativo no modelo do sistema de recrutamento do BB e Previ.

As Estidades cobraram do Banco a apresentação do Convênio Cassi/BB para o ressarcimento dos recursos, uma cobrança dos associados. Ficou acertado que até um mês será realizada uma reunião para apresentação dos detalhes do convênio para as entidades.

Foi reafirmado ao Banco que ao longo do processo negocial muitos consensos foram produzidos na Mesa de Negociação e que o trabalho da consultoria com as áreas técnicas da Cassi deve preservar:


- a manutenção do princípio da solidariedade; 

- investimento no Modelo de Atenção Integral à Saúde através da Estratégia Saúde da Família; 

- a garantia de atendimento para ativos, aposentados, dependentes e pensionistas;

- a corresponsabilidade entre BB e associados.

As Entidades também cobraram que os projetos de ações estruturantes apresentados durante o processo negocial sejam o ponto de partida para os trabalhos da consultoria. Os projetos fazem parte do Programa de Excelência no Relacionamento, desenvolvido pelas diretorias da Cassi, que tratam de:

- aperfeiçoamento dos mecanismos de regulação;

- gestão da rede de prestadores;

- acesso qualificado através do sistema integrado de saúde;

- gestão integrada de informações de estudos estatísticos e atuariais;

- aperfeiçoamento dos processos orientados ao sistema de saúde Cassi;

- novos planos.


Reajuste dos Valores Ressarcidos pelo BB

As Entidades cobraram do BB uma antecipação do reajuste pelo índice Fipe-Saúde dos valores previstos para ressarcimento pelo BB, considerando que tanto funcionários da ativa quanto aposentados já tiveram seus salários e benefícios reajustados após a assinatura do Memorando de Entendimentos e do Convênio Cassi/BB.

As entidades cobraram da Cassi que a próxima apresentação seja mais detalhada com os números dos valores repassados, o avanço nos investimentos, bem como os impactos no balanço da Cassi. Foi solicitado que a apresentação seja disponibilizada às Entidades e Associados.

Pelo cronograma previsto, uma nova reunião de prestação de contas será realizada no final do mês de maio ou início de junho, com data a ser acertada entre Cassi, BB e as Entidades.

Para Wagner Nascimento, coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB, a mesa tem sua importância não apenas por cumprir o acordado no Memorando de Entendimentos, como também para que as Entidades e Associados acompanhem de perto os desdobramentos do acordo, dando mais transparência e credibilidade ao processo negocial. "Outro ponto importante é que a fiscalização das entidades não se dá apenas nos números dos recursos, mas nos conceitos e consensos firmados sobre a Cassi e seu modelo de atenção integral à saúde, completa Wagner, que também coordenada a Mesa de Negociações da Cassi. destaca.

Fonte: Contraf-CUT (com alterações do Blog na diagramação da matéria)

8.3.17

Cassi inicia prestação de contas referente ao Memorando de Entendimentos


(reprodução de matéria)

Reunião entre Cassi, Banco do Brasil e
entidades representativas do funcionalismo.
Crédito da imagem: Cassi.


Publicado em: 08/03/2017


Diretoria da Cassi, do Banco do Brasil (BB) e representantes de entidades vinculadas ao funcionalismo do BB estiveram reunidos, em Brasília, para a primeira prestação de contas prevista no Memorando de Entendimentos, assinado em 21 de outubro de 2016. O presidente da Cassi, Carlos Célio de Andrade Santos, apresentou o histórico do acordo para sustentabilidade da Caixa de Assistência, relembrando a assinatura do Memorando de Entendimentos e a consulta ao Corpo Social.

Carlos Célio ressaltou a importância do apoio dos associados, que validaram de maneira expressiva, com 81,4% dos votos SIM, a proposta de contribuição extraordinária e temporária de 1% até dezembro de 2019, com prazo improrrogável. A aprovação permitiu que a Cassi iniciasse o recebimento de valores já em dezembro de 2016, por meio de desconto na folha de pagamento dos titulares do Plano de Associados.

Em relação ao ressarcimento do BB à Cassi, no valor de R$ 23 milhões mensais, a Cassi informou que as despesas de dezembro/2016 e janeiro/2017 foram reembolsadas nos meses de janeiro e fevereiro/2017, respectivamente. O fato de os créditos terem sido feitos no mês posterior à competência ocorre porque o fechamento dos valores pela Cassi acontece após o encerramento dos atendimentos no mês de referência.

Ainda em conformidade com o acordo, o gerente executivo Emerson Luis Zanin, da Diretoria de Governança das Entidades Ligadas, informou que está em andamento a contratação da consultoria pelo Banco do Brasil. A empresa especializada irá analisar, revisar e desenvolver processos, projetos e ações com foco no aperfeiçoamento do modelo de governança, gestão e operação da Cassi. O processo será pago com recursos do BB.

Atendendo à solicitação das entidades representativas do funcionalismo BB, deverá ser agendada reunião extraordinária dos componentes da mesa Cassi para apresentação dos dados técnicos do convênio entre Cassi e BB.

Primando pela transparência e com o objetivo de facilitar o acesso à prestação de contas, a Cassi disponibiliza, a partir de hoje, um canal exclusivo sobre o tema.

Acompanhe aqui as informações relativas à prestação de contas do primeiro trimestre e as próximas ações previstas para o período de vigência do memorando.

Fonte: site da Cassi.

7.3.17

Cassi - Opinião e agenda do Diretor de Saúde



Reunião preparatória na Anabb para mesa sobre
Cassi com BB e Entidades Representativas.
Enalteço o excelente nível da reunião e
a unidade das Entidades e lideranças.

Olá prezad@s associados e participantes da Cassi e companheir@s de lutas,

Esta é uma semana com agendas importantes para nós da Caixa de Assistência, da comunidade Banco do Brasil e das diversas entidades sindicais e representativas dos bancários e bancárias. Também é a semana do 8 de março, data que marca a história de lutas das mulheres.

Nesta quarta-feira 8 pela manhã, teremos a primeira reunião entre a Cassi, o patrocinador BB e as Entidades Nacionais CONTRAF-CUT, CONTEC, ANABB, AAFBB e FAABB, signatárias do Memorando de Entendimentos, que finalizou uma etapa do processo negocial de busca de sustentabilidade do Plano de Associados da Cassi, com manutenção de direitos históricos dos associados e ampliação do Modelo de Atenção Integral e Estratégia Saúde da Família (ESF).

Da mesma forma que construímos uma histórica unidade no campo dos associados e suas representações ao longo do processo, hoje mantivemos a estratégia positiva de reuniões prévias das entidades representativas e dos eleitos da Cassi para preparar a primeira reunião de prestação de contas após a etapa vencida por nós todos em construir mesa com o Banco, definir consensos no campo dos associados, assinar o Memorando e finalizar o Acordo com consulta ao Corpo Social e encaminhar na governança da Cassi o acordado entre Banco e Entidades.

Não vou antecipar nada sobre os debates preparatórios, como sempre combinamos, mas deixo a minha opinião de que a reunião foi muito positiva e mantivemos uma coesão importante no campo dos associados para iniciar a nova etapa do processo de busca de sustentabilidade do Plano de Associados com manutenção de todos os direitos dos associados e participantes da Cassi. Essa nova etapa será de 3 anos (2017, 2018 e 2019) e enquanto for mantido o foco unitário no nosso campo dos associados, teremos boas perspectivas de sucesso para a Caixa de Assistência.

Bom, a nossa agenda de trabalho está pesadíssima nesta semana. Desde ontem, segunda-feira 6, e até sexta-feira 10, temos calendário interno com diversas reuniões de Diretoria Executiva, ordinária e extraordinárias, que envolvem temas complexos de governança e que nos demandam muitos estudos e construções internas.

Enfim, seguimos firmes na defesa dos direitos dos associados que representamos e no fortalecimento de nossa Caixa de Assistência, maior autogestão do País, baseada em Atenção Primária, focada na promoção de saúde e prevenção de doenças, além do acompanhamento de participantes com doenças crônicas, na busca pela qualidade de vida de nossa população assistida, mais de 700 mil vidas.

Abraços a tod@s,

William Mendes
Diretor de Saúde e Rede de Atendimento (mandato 2014/2018)

3.3.17

Cassi - Fechando semana de trabalho e lembrando que Saúde da Família pode salvar vidas




Olá prezad@s associad@s e participantes da Cassi e companheir@s de lutas,

Estamos fechando mais uma semana de gestão em nossa Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil. A Cassi é uma autogestão em saúde, gerida no modelo de gestão compartilhada entre o patrão, que indica a metade da governança, e os trabalhadores associados, que elegem a outra metade.

Nossa autogestão é uma rara exceção exitosa no sistema de saúde suplementar baseada na Atenção Primária e Saúde da Família. Nossa Caixa de Assistência completou 73 anos de existência em 2017 e desde a Reforma Estatutária de 1996 passou a ter como objetivos e missão da entidade reorganizar o seu sistema de serviços de saúde com base na Atenção Integral à Saúde e Atenção Primária à Saúde (APS).

A Cassi lançou em 2003 a Estratégia Saúde da Família (ESF), organizada a partir de unidades próprias CliniCassi, e desde então vem implantando a cobertura do modelo através de unidades de atendimento em atenção primária e acompanhamento de participantes com doenças crônicas, as CliniCassi. Hoje temos 65 unidades de saúde em todo o Brasil e 142 equipes nucleares de família. Já temos cadastrados mais de 182 mil participantes no modelo.

Eu sou Diretor de Saúde e Rede de Atendimento desde junho de 2014, e quando chegamos à gestão da entidade nos identificamos com o modelo assistencial e tudo que fizemos nestes quase 3 anos de mandato foi enfrentar todas as dificuldades que encontramos, e foram muitas!, porque além do déficit no plano de saúde dos trabalhadores, encontramos um ambiente onde a própria Cassi é uma desconhecida da amplíssima maioria da comunidade a que ela presta serviços e cuida. 

Enfim, passados esses quase 3 anos de percurso junto às bases sociais e lideranças da Cassi e associados, hoje estamos numa fase importante, que é lutar para ampliar a cobertura do modelo de Estratégia Saúde da Família e Atenção Primária para poder salvar mais vidas de nossa população assistida. Mas até esse objetivo tem que ser disputado diariamente, porque as visões são muitas, os atores envolvidos são vários, o desconhecimento segue muito grande.


Nossa semana que se encerra foi muito dura, muito difícil nos debates de governança e estou esgotado. Mas sei que fizemos tudo que esteve ao nosso alcance para defender os direitos dos associados da Cassi e o modelo de saúde da nossa autogestão. Acho que minha pressão arterial esteve nas alturas a semana toda por causa do estresse, das chateações e raivas que passamos... (faz parte).

Deixo para vocês logo abaixo, uma matéria interessante, falando dos benefícios que podemos ter através dos programas de saúde da família para evitar doenças graves ou eventos fatais como infarto e AVC.

Um abraços a tod@s,

William Mendes
Diretor de Saúde e Rede de Atendimento (mandato 2014/2018)



PSF leva agentes comunitários e profissionais
 de várias especialidades à casa das pessoas. 
Foto: Divulgação/PSF

Programa Saúde da Família reduziu infarto e AVC

Em 15 anos, número de infartos caiu mais de 50% na população atendida pelo programa, aponta levantamento feito por mestranda da Unicamp em 645 municípios paulistas


O programa Saúde da Família (PSF) foi capaz de reduzir a ocorrência de infartos e acidentes vasculares cerebrais (AVC) em 645 municípios paulistas. A afirmação está baseada em um levantamento realizado pela mestranda Denise Cavalcante, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), campus de Piracicaba.

O PSF foi criado para atender os princípios do SUS e implementar ações de atenção básica à saúde. O programa cria uma rotina de visitação em que agentes comunitários e profissionais de diversas especialidades vão à casa dos moradores, estimulando a formação de vínculos com as equipes que atuam na promoção da saúde na região.

O levantamento de dados sobre o impacto do PSF foi realizado pela cirurgiã-dentista Denise Cavalcante dentro do Programa de Mestrado Profissional em Saúde Coletiva da Faculdade de Odontologia de Piracicaba e teve duração de 15 meses. As informações utilizadas para análise foram obtidas junto ao Sistema de Informação Nacional (Datasus), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade). Segundo o trabalho, quanto mais ampla a cobertura de assistência oferecida pelo PSF, mais baixos foram os indicadores de AVC e infarto.

O trabalho mostrou que, em um período de 15 anos, a média de AVCs chegou a 11 registros a cada 10 mil habitantes em 2004. No entanto, em 2013, o índice baixou para seis casos a cada 10 mil habitantes. Em relação aos infartos, a ocorrência caiu de uma média de 26,9 casos a cada 10 mil habitantes para 11,7 casos, uma queda de 56,5%.

De acordo com a pesquisadora, um dos fatores que contribuiu para a redução foram as visitas de equipes multiprofissionais. Além de ter acesso à consulta médica, o paciente tem atenção de diferentes profissionais, como agente comunitário de saúde, enfermeiro, equipe técnica auxiliar e equipe de saúde bucal.

Os indicadores revelados pelo levantamento sinalizam a importância da manutenção do programa e a necessidade de investimento na atenção básica, tanto na infraestrutura como na qualificação dos profissionais. “A sociedade precisa entender minimamente este processo e cobrar seus direitos constitucionais”, disse a pesquisadora.

Fonte: brasileiros.com.br 

1.3.17

Cassi - Opinião e Agenda do Diretor de Saúde


Olá prezad@s associados, participantes e companheir@s de lutas,

O mês de março em nossa agenda de gestão na Caixa de Assistência será tão intenso como foi o mês de fevereiro, que terminou neste feriado de Carnaval. Março é um mês de grande importância para as mulheres e para os movimentos sociais, pois o calendário é marcado por data que lembra as lutas pelos direitos das mulheres.

No mês de fevereiro, tivemos a felicidade de aproveitar oportunidades surgidas no calendário e estivemos reunidos com 3 Conselhos de Usuários da Cassi (DF, RN, SP), prestando contas de nosso mandato, reafirmando princípios de nossa gestão, ouvindo sugestões, informando sobre o planejamento de trabalho da área da saúde para 2017 e fortalecendo a participação social em nossa autogestão. Deixo abaixo os links para as matérias destas agendas junto à base social da Cassi.

- Cassi: Diretor de Saúde se reúne com o Conselho de Usuários (DF), ler AQUI

- Cassi: Diretor de Saúde se reúne com o Conselho de Usuários (RN), ler AQUI

- Cassi: Diretor de Saúde se reúne com o Conselho de Usuários (SP), ler AQUI

SUSTENTABILIDADE DO PLANO DE ASSOCIADOS E MANUTENÇÃO DOS DIREITOS

Reunião de prestação de contas marca uma nova etapa do processo de lutas pelos direitos em saúde e pelo Modelo de Atenção Integral e Estratégia Saúde da Família (ESF), com custeio mutualista solidário 


Para este mês de março, teremos na próxima semana reunião entre a Cassi, o Banco do Brasil e as entidades representativas do funcionalismo que compuseram a mesa de negociações para buscar soluções para o desequilíbrio do Plano de Associados e a sustentabilidade da Cassi, sem perdas de direitos históricos em saúde. A reunião será a primeira prestação de contas trimestral que ocorrerá entre os anos de vigência do Acordo (2017/2019).

Fazem parte da mesa e são signatárias do Memorando de Entendimentos CONTRAF-CUT, CONTEC, ANABB, AAFBB, FAABB. A prestação de contas trimestral é uma conquista que foi defendida por nós e deve ser acompanhada por todos.

Nunca é demais lembrar que a luta pela sustentabilidade do Plano de Associados da Cassi foi um processo histórico, no qual a assinatura do Memorando de Entendimentos, a Consulta ao Corpo Social e o Convênio de Ressarcimento entre o Banco do Brasil e a Cassi é somente uma etapa do processo. 

Nós contribuímos para que a proposta final tivesse participação financeira do patrocinador BB, porque antes da chamada "Proposta Final" (setembro de 2016), o patrão havia feito duas propostas de solução do déficit do Plano de Associados sem se comprometer com nenhum investimento em recursos em um déficit que também tem a responsabilidade paritária do Banco, haja vista que ele está na gestão há décadas, indicando a metade da governança.

Leiam AQUI a matéria que resgada a data de 17/12/14 como início da jornada de lutas pela sustentabilidade e por solução do déficit, sem aceitar que a conta fosse paga somente pelos associados.

Nós chegamos eleitos em 2014 e não concordamos com a 1ª proposta apresentada pelo Banco do Brasil no âmbito da Cassi para resolver déficit antigo na gestão do Plano de Associados. O patrocinador queria aumentar a contribuição dos associados em 50% e estabelecer soluções internas como aumento de coparticipações, instituição de franquia em internações etc.

Procuramos as entidades sindicais em 17 de dezembro daquele ano e pedimos apoio para começar uma luta nacional em defesa dos direitos dos associados e dependentes. Dali nasceram encontros nacionais, mobilização unitária das entidades representativas da ativa e aposentados, mesa de negociações em 2015, uma segunda proposta do Banco do Brasil (o Fundo), proposta na qual o Banco seguia não aceitando contribuir com recursos financeiros na solução, e depois de dois anos de lutas, chegamos a proposta final, com novos recursos das duas partes - dos associados e do patrocinador BB -, recursos extraordinários e provisórios, até dezembro de 2019.

Por isso afirmo que o Acordo entre o Banco do Brasil e os associados da Cassi é fruto de processo histórico e somente uma etapa vencida. Agora é a hora de todos se manterem mobilizados e bem informados porque vem aí uma consultoria paga pelo Banco que pode definir avanços ou até colocar em riscos os direitos dos associados e o Modelo Assistencial da Cassi, porque a nova etapa desse processo também é de luta por definição de modelos e de direitos dos associados dentro da gestão da Cassi. Como gestor eleito, tenho preocupações ao lembrar que em 2007/08 houve Consultoria na Cassi e o resultado para o Modelo Assistencial foi ruim.

Em uma gestão compartilhada entre patrão e trabalhadores sempre haverá pontos de vista diferentes, isso é normal e democrático, mas eu insisto para que os associados acompanhem e se mantenham bem informados. Nós estamos escrevendo e informando sobre a Cassi e sob a ótica de um representante dos associados desde junho de 2014, através de reuniões presenciais junto às lideranças e entidades representativas, através de Boletins Prestando Contas Cassi e através do Blog.

Vamos para mais um mês de lutas pelo fortalecimento da Cassi e da saúde da comunidade Banco do Brasil. Ainda em março iniciaremos a agenda de saúde do trabalhador em todos os Estados e DF, através de Convênio entre o BB e a Cassi. Esta agenda é muito importante para tod@s, pois atua na prevenção de doenças e promoção de saúde.

Abraços,

William Mendes
Diretor de Saúde e Rede de Atendimento (mandato 2014/18)