Páginas

29.1.18

Cassi - Agenda e opinião do Diretor de Saúde





Olá prezad@s associados e participantes da Cassi e companheir@s de lutas pelos direitos dos trabalhadores.

Ao longo desses quase quatro anos de mandato de representação de meus colegas do Banco do Brasil na Diretoria de Saúde e Rede de Atendimento de nossa Caixa de Assistência, mantive um compromisso persistente de prestar contas de nossas opiniões, ações e agenda de trabalho na área responsável em nossa autogestão pelas políticas e programas de saúde da instituição, área que inclui a gestão das unidades próprias nas regiões - Unidades Cassi e CliniCassi.

Adotei uma estratégia de comunicação focada em manter informados conselheir@s de usuários, lideranças sindicais e demais representações dos segmentos de participantes da Cassi, já que nosso mandato é em uma associação nacional, que pertence aos trabalhadores de um banco público que atua em todas as localidades do país (ainda). 

Quando fui dirigente sindical em São Paulo, falava com bancários na base toda semana. Na Cassi, estabeleci também uma estratégia de informar as lideranças ao longo dos 4 anos, tanto presencialmente nas regiões quanto através do blog e boletins.

Vou cumprir meu período de férias adquiridas entre 2016/17 até a semana do Carnaval. Em dezembro havia pego só uns dias. No entanto, seguirei focado nas buscas de soluções para os problemas da nossa autogestão, até porque eu não descuido um minuto de nossa Cassi e dos direitos dos associados que representamos.

BOLETINS PRESTANDO CONTAS CASSI

Mesmo tirando uns dias de férias, vamos publicar hoje o 41º Boletim Prestando Contas Cassi abordando a importância da atuação das CliniCassi na coordenação de cuidados da população assistida por nós, por meio da Atenção Primária e medicina de família (ESF) e isso contribui para o uso racional da rede credenciada.

----------------------------------------------------
O boletim é mais uma contribuição de nosso mandato na Diretoria de Saúde, que buscou produzir estudos na Cassi que comprovam com dados a eficiência da Estratégia Saúde da Família quando comparamos os participantes vinculados ao modelo em relação aos não cadastrados ainda. 
----------------------------------------------------

Nesta edição do boletim 41 apresentamos comparações númericas de um grupo de participantes que têm forte necessidade de assistência e consomem muitos recursos do plano de saúde. Chamamos de curva "A" nos planos. Mesmo sendo um segmento agravado, os vinculados à ESF que pertencem a esse grupo têm uma despesa per capita bem menor (13,9%).

TEXTOS ANALÍTICOS COM BALANÇO DO MANDATO

Se eu conseguir, ainda vou soltar mais dois textos de balanço de nosso mandato, abordando nossa atuação na região Sudeste e um a respeito da nossa relação e defesa dos Conselhos de Usuários. Já publicamos 9 textos de balanço nesses dias sobre vários eixos de atuação (ler AQUI).

Foi muito difícil produzir todos os estudos que produzimos nas últimas semanas, porque fizemos isso ao mesmo tempo em que enfrentamos diversos desafios e problemas que a Cassi e as autogestões estão vivendo por causa da crise econômico-financeira e política por que passa nosso país. Fizemos tudo junto e ao mesmo tempo e pouco dormimos nos últimos meses. Confesso um cansaço físico e mental nesses dias. Preciso de um respiro.

RESOLUÇÕES CGPAR AMEAÇAM AUTOGESTÕES E DIREITOS EM SAÚDE

Eu vou seguir nesses dias levando minhas opiniões às representações da comunidade Cassi e talvez aqui no blog também a respeito das Resoluções 21, 22 e 23 da CGPAR, publicadas pelo governo na última sexta-feira. Na minha opinião, elas inviabilizam grande parte das autogestões envolvidas. 

Não compartilho da leitura de algumas pessoas que respiram aliviadas sobre eventual "direito adquirido", termo que é utilizado nas resoluções para tentar dividir o conjunto dos participantes dos planos vítimas das medidas, que atacam e golpeiam de morte autogestões de saúde de trabalhadores.

Não adianta ter "direito adquirido" de algo que pode se inviabilizar e acabar. O governo fechou o Plano de Associados da Cassi em uma canetada. De novo é preciso lembrar para as pessoas o que é solidariedade na Cassi, a base do Plano de Associados. Se eu pensar só em mim hoje e não nos colegas que chegam amanhã, não terá plano para ninguém.

Entendo que as entidades representativas e suas áreas jurídicas devem estudar possibilidades urgentes de reversão dessas medidas nos órgãos da justiça do país. Além de manter meu chamamento para a mobilização e unidade na ação em defesa da Cassi e demais autogestões em saúde.

Os tempos são graves. Às vezes, nosso corpo e mente sentem os ataques. Mas a gente fez o que deve ser feito. Desistir não é uma opção.

Abraços às lideranças e aos leitores que nos acompanham e estamos à disposição para as lutas, que serão muitas e intensas, pela manutenção de nossos direitos em geral e em saúde, pensando a área na qual atuamos em nome dos trabalhadores. 

William Mendes
Diretor de Saúde e Rede de Atendimento (mandato 2014/18)

Nenhum comentário: