Páginas

18.12.16

Balanço do Mandato na Diretoria de Saúde e Rede de Atendimento da Cassi (Parte I, 2014)





Olá companheir@s, amig@s, colegas do Banco do Brasil e associad@s,

Neste final de ano de 2016, estamos concluindo uma etapa de nossas lutas à frente da Diretoria de Saúde e Rede de Atendimento da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil, uma operadora de saúde no modelo de autogestão, compartilhada entre os trabalhadores e o patrão.

Nosso mandato começou em junho de 2014 e adotamos uma estratégia de trabalho e gestão com etapas a serem vencidas a partir do que propusemos aos associados na campanha eleitoral e pelo diagnóstico que fizemos da Cassi (a gestão) e de como ela se encontrava em relação à comunidade de associados e participantes e suas entidades representativas e em relação aos setores de saúde suplementar (planos de saúde) e complementar (prestadores de serviços de saúde) nos quais ela está inserida na sua operação diária para atender às demandas de saúde de mais de 700 mil participantes.

Nesses 30 meses de mandato, eu coloquei toda a experiência que adquiri ao ser dirigente nacional dos bancários do BB por mais de uma década. Também pensei estratégias aproveitando o que aprendemos nas áreas do movimento social que lidam com formação, comunicação, saúde, previdência, negociação coletiva, história, organização e política. A história de lutas da classe trabalhadora é belíssima, é inspiradora, é desafiadora e, ao mesmo tempo, é feita de derrotas, de decepções e recomeços em busca de uma vida melhor, mais justa e igualitária.

Nossa tarefa foi e continua sendo conjugar o estudo da Cassi em si mesma e o setor em que ela atua, e ao mesmo tempo fazê-la sair do total desconhecimento de seu público dono e usuário.


É NECESSÁRIO REGISTRAR E COMPARTILHAR A HISTÓRIA DAS CONQUISTAS DE DIREITOS DA CLASSE TRABALHADORA

No movimento sindical, sempre discutimos o quanto faz falta não ter a nossa história de lutas registrada, catalogada e reproduzida para as novas gerações. Até que melhoramos um pouco nas últimas duas décadas e as entidades sindicais e associativas começam a compilar e fazer seus materiais de registro histórico, organizar seus CEDOC. Mas ainda hoje, a maior parte de nosso acúmulo e saber é oral e o risco de perder o conhecimento da classe trabalhadora é muito grande.

Antes de ser eleito para a Cassi, eu já tinha planos de organizar materiais em relação às campanhas salariais do Banco do Brasil, pois participei e ajudei a construir as lutas e colher os resultados como diriginte eleito entre 2002 e 2014, e também atuei na área de formação na Contraf-CUT, por onde estive por quase seis anos. Abortei a ideia dos livros por ter começado outro desafio em minha vida, a Cassi.

No entanto, ao começar a rever o nosso percurso de lutas em defesa da Cassi, dos associados, do modelo de autogestão e de Atenção Primária da entidade, e conhecer os funcionários de carreira da Cassi, percebi que é uma obrigação nossa compilar e registrar uma bela história coletiva de lutas que ajudamos a construir nesse período. Faço isso em respeito também ao banco público em que trabalho e defendo sua existência e fortalecimento, o Banco do Brasil.

Como secretário de formação e de comunicação no movimento sindical, sempre expliquei que temos que construir redes de multiplicadores para alcançar com qualidade os nossos públicos representados e a organizar. Eu sei o público para o qual atuo. Eu faço de tudo para dar conhecimento e informação a esse público. O desafio é fazer esse público utilizar o que produzimos para eles.

Vou gastar um tempo para organizar tudo, mas já estamos trabalhando nessa revisão e organização faz algumas semanas. Pretendo concluir o trabalho até janeiro ou fevereiro de 2017. E tudo isso fazemos ao mesmo tempo em que atuamos de forma ininterrupta pela Caixa de Assistência.

Independente do número de lideranças que utilizem tudo o que produzimos, é uma obrigação nossa produzir o registro dos conhecimentos na área em que atuamos em nome da coletividade.

Abraços,

William Mendes
Diretor de Saúde e Rede de Atendimento (mandato 2014/18)


Prestação de Contas do Mandato na Caixa de Assistência (Ano 2014)

Alguns números

Conferências de Saúde - participamos de 9 Conferências: AL, GO, MA, MT, PA, PB, PI, RO, RS.

Conselhos de Usuários - participamos de reuniões ou estivemos nas bases com os conselheir@s de usuários de 13 Estados: AL, GO, MA, MT, PA, PB, PI, RO, RS (2x), DF (2x), RJ, SP e PR. Estivemos na pré-Conferência de Saúde de Santa Maria (RS).

Entidades Representativas - Sindicatos em Brasília, Porto Alegre, São Paulo Osasco e região, Piauí, Rondônia, cidade do Rio de Janeiro, Jundiaí, Belo Horizonte, Mato Grosso; ANABB (reunião do GAT); AFABB SP, AAFBB; reuniões na Contraf-CUT; também visitamos algumas Superintendências do BB.

Boletins Prestando Contas Cassi - Publicamos 6 boletins.

Visitas às dependências do BB e delegad@s Sindicais - distribuímos boletins e visitamos bancários no DF, em SP, no RJ, em MG, no MT e em RO.

Gestão - realizamos encontro dos gestores das 27 Unidades Cassi; realizamos o Encontro Nacional dos Conselhos de Usuários; fizemos planejamento estratégico das diretorias dos eleitos; fizemos reunião com funcionários da Cassi em diversos Estados.

CliniCassi - conhecemos algumas unidades de atendimento à saúde, as CliniCassi.


Além dessas agendas estratégicas para que a comunidade Banco do Brasil passasse a incluir a Cassi em suas agendas e conhecer o que é a nossa entidade de autogestão em saúde, organizada pelo Modelo de Atenção Integral e ESF e Atenção Primária, no ano de 2014 nós tivemos uma agenda pesada de reuniões e produção escrita.

Reuniões de Diretoria Executiva - foram 42 reuniões com a análise e deliberação de 642 documentos.

Matérias no blog Categoria Bancária - entre junho e dezembro de 2014, nós publicamos 88 textos que têm relação ou com a Cassi ou com os direitos dos bancários do BB e associados da nossa entidade.


Estamos analisando o nosso percurso de trabalho de fortalecimento da Cassi e do modelo assistencial também ao longo de 2015 e 2016.

Faremos mais balanços a respeito.


Nenhum comentário: