Páginas

28.4.16

A votação do relatório anual da Cassi (27/04 a 6/05)




Comentário do Blog

Como informamos nesta semana, os associados devem apreciar as informações contidas no Relatório Anual 2015 da Cassi até o próximo dia 6 de maio. 

Apreciar e votar é um direito estatutário que os associados conquistaram ao longo de nossa história de lutas por participação social na Caixa de Assistência e o relatório contém todas as informações necessárias e, inclusive, as obrigatórias. A Cassi é muito atenta a isso, tanto por parte dos indicados do patrocinador Banco do Brasil quanto pelos eleitos representantes do patrocinador Corpo Social. E é evidente que o relatório já teve o crivo da auditoria externa e dos Conselhos Fiscal e Deliberativo.

Vejam abaixo a diferença de comportamento de um confederação de trabalhadores bancários (Contraf) que representa dezenas de sindicatos, os maiores do país, sindicatos que congregam quase 90% dos 100 mil bancários do BB no país, sindicatos que construíram as campanhas nacionais unificadas dos bancários e que lideram a categoria que mais faz luta e greves nos últimos tempos.

E vejam logo abaixo o comportamento da senhora Juliana Donato, líder do MNOB/CSP Conlutas, o grupo sindical do PSTU que construiu a chapa vitoriosa nas eleições da Cassi deste ano e que na semana seguinte do resultado das urnas já prega o caos, o "quanto pior, melhor" na nossa Cassi. (aliás, dizem que muitas pessoas estão reclamando nas redes sociais que não sabiam que a chapa vencedora era desse grupo político/sindical).

Qual o sentido de fazer campanha pela reprovação do Relatório Anual 2015 da Cassi? Na minha opinião de diretor eleito pelos associados, se tem uma coisa inadequada e incoerente por parte de alguma "liderança" da comunidade BB na atual conjuntura da Cassi e do setor saúde é dizer que não tem informações sobre os números da Cassi, o contexto e a conjuntura que estamos atravessando. Por favor, a Cassi e os associados merecem respeito!

Todas as entidades nacionais representativas que compõem a mesa de negociação com o Banco não fizeram outra coisa (forma de expressão) senão informarem ao longo do ano de 2015 seus associados sobre a Cassi, os motivos do déficit no plano de saúde dos funcionários, os graves problemas do setor de saúde (externos à Cassi), as posições de todas as lideranças e representações de que o Banco também deve se responsabilizar com qualquer rateio ou aporte para reequilibrar o Plano de Associados, as 17 Conferências de Saúde que fizemos em 2015 com milhares de associados e entidades representativas etc. Onde estava a senhora Juliana?

Propor o "quanto pior, melhor" é bem característico desse segmento da antiga "convergência socialista", setor do movimento dos trabalhadores que sempre foi marcado pelo sectarismo, pela falta de busca de consenso e pelo não interesse em construir unidade, pelo contrário, se eles fossem maioria no seio dos trabalhadores do Banco do Brasil e dos bancários (que é uma categoria bem organizada e consciente), é provável que sequer teríamos a única Convenção Coletiva Nacional do país.

Será que o ano que vem, quando a chapa do MNOB/CSP Conlutas já tiver tomado contato com a realidade em gerir uma entidade de saúde num setor com tanta crise, será que eles vão defender a rejeição do Relatório Anual 2016? Estarei acompanhando atentamente o grupo que chegará na gestão e que sempre foi contrário, inclusive, a existir qualquer plano de saúde além do SUS.

William Mendes
Diretor de Saúde e Rede de Atendimento (eleito)


(matéria da Contraf-CUT)

Começa votação do relatório anual da Cassi e Contraf-CUT orienta aprovação das contas

As entidades filiadas devem divulgar em suas bases a orientação para que os funcionários votem a favor da aprovação das contas da Cassi

27/04/2016

Os associados da Cassi podem votar, a partir desta quarta-feira (27), para a aprovação do relatório anual da Cassi. A votação vai até o dia 6 de maio. A Contraf-CUT orienta os associados a aprovarem o relatório. As entidades filiadas devem divulgar em suas bases a orientação para que os funcionários do Banco do Brasil votem a favor da aprovação das contas da Cassi.

Para Wagner Nascimento, coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB e coordenador da mesa de negociações da Cassi, é importante a aprovação do Relatório Anual para que retomemos o processo de negociação que busca a sustentabilidade da Cassi.

Podem votar funcionários da ativa e aposentados do Banco do Brasil que são associados e estão em pleno gozo de seus direitos junto à Cassi, conforme o Estatuto da Entidade.

Os funcionários da ativa e quem se aposentou após 31/1/2016 votam no Sisbb. Aposentados até 31/1/2016 votam nos TAA.

O Relatório Anual reúne dados referentes à população assistida, separada por Plano, informações sobre o uso dos serviços, como consultas, exames e internações, e sobre os programas de saúde oferecidos pelas CliniCASSI, e os números referentes a receitas e despesas da Caixa de Assistência em 2015, que são auditadas, e os pareceres da auditoria externa e dos Conselhos Deliberativo e Fiscal. A Mensagem da Diretoria analisa o resultado que a CASSI teve no ano anterior, explicando os motivos que levaram a ele e as ações já tomadas.

O Relatório Anual 2015 está disponível em diferentes formatos digitais: um hotsite, que permite acessar capítulo por capítulo, uma versão completa em PDF e um aplicativo gratuito para celulares smartphones.

Clique aqui para acessar o Relatório Anual de 2015

Neste ano, o documento não foi impresso, por decisão do Conselho Deliberativo da CASSI. Quem desejar, pode solicitar a versão PDF por email. Para isso, precisa enviar a solicitação do arquivo à Cassi, indicando em que endereço eletrônico deseja recebê-lo. Dúvidas sobre o acesso ao Relatório Anual também podem ser esclarecidas pelo telefone 61 3212-5035, de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h.

Para baixar o documento no celular, entre no Google Play, em aparelhos android, ou na Banca Apple, em iphone ou ipad, e digite “Jornal CASSI”. Baixe o aplicativo e clique sobre a capa do Relatório Anual 2015 para acessar o documento.

Fonte: Contraf-CUT


(matéria da isenta, neutra e não partidária Juliana Donato do MNOB/CSP Conlutas - PSTU)


REJEITAR AS CONTAS DA CASSI

Inicia-se no dia 27 de abril e vai até o dia 06 de maio o processo de votação do relatório das contas da CASSI, referente ao ano de 2015. Sabemos que a CASSI atravessa uma crise por conta do déficit e uma votação como essa não pode ser vista como uma mera formalidade. Será que os nossos representantes eleitos que compõem a atual direção da CASSI não têm nada a nos esclarecer?

Acreditamos que os representantes eleitos pelos funcionários têm a obrigação de debater e explicar para os associados as contas da CASSI.

Há mais de um ano uma comissão foi formada pelas entidades do funcionalismo e estão negociando com o Banco o déficit. Nesta atual situação, torna-se imprescindível compreender como está a Saúde financeira de nossa Caixa de Assistência e quem é o verdadeiro responsável por este desequilíbrio.

Várias questões não estão claras: porque a Cassi não divulga as estatísticas de doenças ocupacionais causadas por metas e assédio moral, uma vez que é a única detentora destas informações? Por que o relatório da Cassi não discrimina os valores que foram recebidos pelos associados e quais foram pelo Banco? Pois, da forma como é apresentado, dificulta a conferência da participação patronal.

Por isso, defendo a rejeição das contas de 2015. O Estatuto da CASSI estabelece:

“ V. deliberar sobre a aprovação do Relatório anual e as contas da Diretoria Executiva, depois de aprovados pelo Conselho Deliberativo e acompanhados de parecer do Conselho Fiscal.

§ 1º. Na hipótese de reprovação pelo corpo social, a Diretoria Executiva tem prazo de 30 (trinta) dias para reapresentar a documentação, acompanhada dos esclarecimentos adicionais que se fizerem necessários, para submeter ao Corpo Social em segunda consulta.”

Precisamos rejeitar a aprovação deste relatório e na sequencia pressionar os sindicatos para convocar assembleias para debater a real situação da CASSI e exigir, como prevê o estatuto, que a diretoria executiva preste os esclarecimentos sobre todas estas questões que não estão claras.

Juliana Publio Donato de Oliveira – Representantes dos Funcionários no Conselho de Administração do BB

Nenhum comentário: