Páginas

31.5.13

Eleições Caref BB - Votem Rafael Matos F8369846





Post Scriptum:

Mensagem que postei nas redes sociais:


"Olá colegas do bb de todo o país. Nesta segunda 24 começa o segundo turno da eleição para o conselheiro representante dos funcionários no CA do Banco do Brasil. Conversem com todos os colegas para votarem no candidato que está comprometido com a ampla maioria dos sindicatos do Comando Nacional e a Contraf-CUT para atuar em sintonia com o funcionalismo e defender nossas bandeiras nas decisões estratégicas do BB. Sds a tod@s, William Mendes"


30.5.13

Eleição CAREF BB - Peço voto e apoio a Rafael Matos F8369846


Companheira/os e amiga/os,

Peço o voto e o apoio para a candidatura de Rafael Matos para o Caref BB.

A candidatura do companheiro Rafael é fruto de debate e planejamento estratégico da coordenação da Articulação Sindical no Banco do Brasil.

Nós temos convicção na capacidade dele e na interlocução em parceria e sintonia com a Contraf-CUT e com os nossos sindicatos para o debate e o posicionamento do Caref nas reuniões que ocorrerão no Conselho do Banco.

Rafael fará um mandato em conjunto com nossas entidades sindicais e isto faz toda a diferença em uma representação como a do Caref. Este é o compromisso dele e nosso.

Tivemos no passado 5 representações eleitas entre os anos 80 e 90. Em algumas delas, o representante eleito atuou muitas vezes competindo com os nossos sindicatos e CNB/CUT e não em sintonia conosco. E isto pode nos causar muitos problemas em uma representação.

As oposições à CUT (MNOB-CSP Conlutas PSTU e Intersindical) se unificaram em torno da candidatura de Ronaldo Zeni (ex-CSD RS). A estratégia deles é inteligente, pois esperam angariar muitos votos em complexos.

Nós da CUT de todo o país somos muito maiores que isso e não podemos ficar dividindo votos porque o risco é grande para toda/os nós.

Então, peço que cada companheiro e companheira que partilha da nossa estratégia na candidatura de Rafael Matos converse muito com os bancários na base, nas agências e departamentos, nesta sexta-feira 31 e durante toda a semana de 3 a 7 de junho.

Temos que derrotar os candidatos do banco e a candidatura majoritária das nossas oposições tradicionais, que tanto sonham em derrotar a Central Única dos Trabalhadores.

Vamos até a vitória, SOMOS FORTES, SOMOS CUT!

William Mendes
Secretário de Formação da Contraf-CUT
e pela coordenação da ARTBB



Banco não quer ouvir problemas dos funcionários no Caref.
Mas falaremos em alto e bom som

Em entrevista na Agência de Notícias, a voz patronal foi dita por um diretor. Disse que o representante dos funcionários no Caref não pode levar até lá os problemas das relações de trabalho, conforme a lei. Nem decidir sobre remuneração e questões trabalhistas. 

A lei e suas limitações nós conhecemos. Sabemos também que nada nos impede de questionar. Ninguém pode nos proibir de contestar a política de pessoal do banco, de mostrar que o clima está ruim por causa das atitudes arbitrárias da direção. De lutar para que a administração seja democrática e reconheça adequadamente a dedicação dos funcionários.

A direção do banco quer um representante chapa-branca, falando o que ela quer ouvir. Mas nós falamos o que ela não quer ouvir – as reclamações e o descontentamento dos funcionários. E ninguém vai nos calar. 

O banco se negou a publicar meu currículo por conter críticas à sua atuação. Tudo o que não quiseram divulgar lá, estamos divulgando por outras vias. 

Ninguém nos impedirá de lutar, junto com os sindicatos, para que o banco troque a imposição pelo diálogo.

Só valorizando e dialogando com seu corpo funcional o banco conseguirá reafirmar sua liderança no mercado, apoiar o crescimento econômico e a redução das taxas de juros. 

Queremos, sim, fortalecer o banco, mas não à custa da exploração, do assédio moral e do enfraquecimento de seus funcionários.

O funcionalismo elege seu representante no Caref para que sua voz seja ouvida. Peço seu apoio para levar até o mais alto escalão a fala descontente de nossos cento e vinte mil colegas. 

Vote Rafael Matos F8369846 – A voz do funcionalismo no Caref

Conheça minhas propostas no blogwww.rafaelmatoscaref.wordpress.com

29.5.13

CCJC da Câmara suspende reunião que tinha PL da terceirização em pauta


Foi suspensa a reunião ordinária da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara Federal, que iria ocorrer nesta terça-feira (28), às 14h30, no Anexo II, Plenário 01, em Brasília. O anúncio foi feito às 15h30 pelo presidente da CCJC, deputado Décio Lima (PT-SC).

Desta forma, todos os projetos que estavam em pauta serão discutidos na próxima reunião ordinária, na semana que vem, dentre eles o projeto de lei (PL) nº 4330/2004, do deputado Sandro Mabel (PMDB-GO), que regulamenta a terceirização e que já recebeu parecer favorável pela constitucionalidade do relator, deputado Arthur Maia (PMDB-BA).

"Fomos surpreendidos no final da tarde desta segunda-feira (27) com a inclusão do projeto na pauta da CCJC, uma vez que esse assunto será discutido na reunião entre as centrais sindicais e o governo, que está agendada para o próximo dia 11", afirma o secretário de Organização do Ramo Financeiro da Contraf-CUT, Miguel Pereira.

Com a suspensão, a CUT prepara uma grande mobilização na CCJC. "Esse projeto escancara a terceirização, precariza as condições de trabalho e enfraquece a representação sindical", salienta Miguel, que integra o Grupo de Trabalho (GT) de Terceirização da CUT e foi a Brasília para acompanhar a reunião da CCJC.

"A Contraf-CUT reforça a importância da participação de sindicatos e federações de todo país na mobilização para barrar a aprovação desse projeto que atenta contra os direitos dos trabalhadores", conclui o dirigente sindical.

Também estiveram presentes na CCJC diretores do Sindicato dos Bancários de Brasília, que acompanham de perto a tramitação do projeto de lei no Congresso.


Fonte: Contraf-CUT

27.5.13

Agenda de luta - Curso sobre Terceirização e eleição Caref bb



PREPARAÇÃO DO CURSO SOBRE TERCEIRIZAÇÃO

Nesta semana, estaremos concluindo os preparativos para o curso de especialização sobre Terceirização, curso da Contraf-CUT em parceria com o Dieese, com o objetivo de preparar dirigentes para organizar o combate contra os males causados aos trabalhadores, com vagas para 25 dirigentes das entidades filiadas. O curso ocorrerá na semana que vem no interior de São Paulo.


ELEIÇÃO CAREF bb - VOTEM RAFAEL MATOS - 8.369.846

Também estamos na semana final do processo de campanha para a eleição do Conselheiro de Administração do bb eleito pelos trabalhadores. 

Grande parte de nossos sindicatos cutistas da Contraf-CUT estão apoiando a candidatura do companheiro Rafael Matos, definido por nós da coordenação da Articulação Sindical no Banco do Brasil como a melhor candidatura para atuar em conjunto com os sindicatos e a Contraf-CUT na defesa do funcionalismo do bb e lutar para corrigir o papel deste banco público tão importante para o país.


RESOLUÇÕES 24º CNFBB

Estamos também finalizando os relatórios das resoluções debatidas e aprovadas pelo/as delegado/as do Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil, realizado na semana passada em São Paulo com a participação de 318 pessoas de todas as bases sindicais do país.

SOMOS FORTES, SOMOS CUT!

24.5.13

Funcionalismo do BB elege representante ao Conselho de 3 a 7 de junho


PEÇO SEU VOTO E APOIO PARA O COMPANHEIRO RAFAEL MATOS - F.8.369.846


Os funcionários do Banco do Brasil elegem pelo voto direto, de 3 a 7 de junho, seu representante para o Conselho de Administração da empresa, o Caref. Se nenhum candidato conseguir a maioria absoluta dos votos, os dois primeiros colocados disputarão o segundo turno, de 24 a 28 de junho. Têm direito a voto todos os 120 mil funcionários em atividade no BB.

O Conselho de Administração do Banco do Brasil é composto de sete membros: três indicados pelo governo federal, o presidente do banco, dois indicados pelos acionistas minoritários (que hoje são indicados pela Previ) e um eleito pelos funcionários. 

"A eleição é uma conquista das centrais sindicais, capitaneada pela CUT. É uma conquista importante porque dará à representação dos trabalhadores o direito de participar da instância máxima do Banco do Brasil, onde são tomadas as decisões estratégicas, desde negócios, crédito, orçamento, investimentos, remuneração dos dirigentes, dentre outras questões", afirma William Mendes, secretário de Formação da Contraf-CUT e coordenador da Comissão de Empresa do Funcionalismo do BB. 

"Por isso é importante que o funcionalismo eleja um representante realmente comprometido com seus interesses", chama a atenção William.

A Lei 12.353/2010 determina que toda empresa pública ou de economia mista com mais de 200 empregados, controlada pela União, deve ter um representante dos funcionários no seu Conselho de Administração, escolhido pelo voto direto. A reivindicação das centrais sindicais foi apresentada ao então governo Lula, que a encaminhou ao Congresso Nacional, sendo aprovada e sancionada pelo ex-presidente em dezembro de 2010.


Fonte: Contraf-CUT

21.5.13

Sindicato de S. Paulo, Osasco e região apoia Rafael Matos para o Caref do BB


Eleição de representante dos trabalhadores no Conselho de Administração do banco público é conquista do movimento sindical
São Paulo – A eleição direta para a escolha de um representante dos trabalhadores no Conselho de Administração das empresas públicas é uma das maiores conquistas da CUT e do movimento sindical. No Banco do Brasil, o processo eleitoral para o Caref já teve início e a votação será realizada entre os dias 3 e 7 de junho. O Sindicato apoia a candidatura do ex-dirigente Rafael Matos, há 13 anos na instituição financeira. A votação será feita pelo número de matrícula funcional do candidato. A de Rafael Matos (à direita na foto) é F-8.369.846.

“As relações da direção do Banco do Brasil com o funcionalismo são ruins. A empresa prefere pressionar a dialogar. As pessoas colaboram com o crescimento da organização, mas não se sentem reconhecidas pelo esforço. A cada meta atingida, outra maior é cobrada. Essa postura autoritária tem de ser denunciada e combatida. Como representante dos funcionários no Conselho de Administração vou cobrar do banco o reconhecimento ao empenho dos funcionários”, afirma Rafael, que já foi lotado na Gepes (Gestão de Pessoas).

Conselho – O Conselho de Administração do BB é composto por oito integrantes: além do eleito pelos funcionários, serão mais quatro indicados pelo governo federal, o presidente do banco, dois representando os acionistas minoritários – hoje indicados pela Previ (Caixa de Previdência). Tem como função definir políticas e centralizar decisões estratégicas sobre negócios, crédito, orçamento, investimentos dentre outras questões.

A lei define que o representante dos trabalhadores não pode participar de reuniões que deliberem sobre salários e benefícios dos funcionários. O movimento sindical se mobiliza para derrubar esse impedimento.

“O papel do banco público deve ter como prioridades o auxílio ao desenvolvimento do país e o respeito aos funcionários da ativa e aposentados. Essa será nossa posição nas reuniões do conselho”, destaca Rafael.

O candidato – Rafael Matos é graduado em História pela USP e é especializado em Economia do Trabalho e Sindicalismo pela Unicamp. Também fez MBA em Gestão de Pessoas pela FGV-RJ, MBA em Meio Ambiente e Sociedade pela Fesp-SP e em Gestão de Previdência Complementar pelo Instituto Ideias em parceria com a Universidade Federal Fluminense.

Participou do movimento estudantil e foi diretor do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região por dois mandatos.


Fonte: Seeb SP - Jair Rosa - 20/5/2013

24º Congresso dos Bancários do BB aprova pauta de demandas específicas


Crédito: Jaílton Garcia
Jaílton GarciaCongresso reuniu 318 delegados, dos quais 214 homens e 104 mulheres

O 24º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil aprovou neste domingo 19, em São Paulo, a pauta de reivindicações específicas, centrada no combate ao plano de funções comissionadas, o assédio moral, a política antissindical e as péssimas condições de trabalho. Participaram do Congresso, realizado no Hotel Holiday Inn, 318 delegados de todo o país, dos quais 214 homens e 104 mulheres.

"O funcionalismo aprovou uma série de propostas para os quatro grandes eixos que foram debatidos no Congresso - que são remuneração e condições de trabalho, saúde e previdência, organização do movimento e Banco do Brasil e o Sistema Financeiro Nacional - para fazer enfrentamento à pior administração do BB dos últimos anos, que ataca o funcionalismo, coloca em risco o banco, desviando-o do seu papel de banco público", afirma William Mendes, secretário de Formação da Contraf-CUT e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB.

"Foi construída uma grande unidade de todas as forças do movimento para fazer o enfrentamento contra a direção do BB e construir uma grande campanha nacional dos bancários que lute contra esse plano de funções implantado unilateralmente, que melhore as condições de trabalho e de remuneração de todo o funcionalismo. E que, além disso, coloque o banco no rumo certo, com respeito aos trabalhadores, boas condições de trabalho, atendendo a população e os interesses da sociedade brasileira", conclui William.

'Estamos preparados para a luta'

Para Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT, o Congresso do BB aconteceu em um momento muito importante para o funcionalismo. "A direção do banco vem tentando tirar os direitos dos trabalhadores com um processo de negociação sem o envolvimento das entidades sindicais. O objetivo do BB é seguir o que diz o mercado, focando o tal índice de eficiência", ressalta Cordeiro. 

Segundo o presidente da Contraf-CUT, infelizmente o BB optou por um caminho contrário ao do banco público, na direção do privado. "Hoje, a direção do banco está mais preocupada em disputar mercado com o Bradesco e o Itaú, quando de fato deveria se preocupar em fazer um banco público voltado para o desenvolvimento, voltado de fato para as pessoas, em que o funcionalismo teria um papel importante", afirma. 

Por este motivo, enfatiza Carlos Cordeiro, "queremos que o BB possa ter uma negociação séria, valorizando os trabalhadores, e dando fim à prática do assédio moral e metas abusivas, pois é uma política da direção do banco que leva o bancário ao adoecimento. Atualmente é cada vez mais comum termos bancários tomando remédios de tarja preta". 

"Estamos totalmente preparados para a luta e seguiremos fortalecendo a unidade dos trabalhadores para enfrentar a truculência do banco", conclui Carlos Cordeiro. 


Fonte: Contraf-CUT

20.5.13

Nesta segunda fiquei de molho em casa...

Após uma sequência grande de estresse por algumas semanas e após finalizar o 24º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil, acabei ficando de molho em casa hoje ainda com problemas de sinusite e inflamação na garganta.

To meio quebrado.

Vamos ver se melhoro nesta terça.


SOMOS FORTES, SOMOS CUT!
"A GENTE" SOMOS HUMANOS...

18.5.13

Na abertura do Congresso, funcionalismo discute como conter ataques do BB


Crédito: Jaílton Garcia
Jaílton GarciaPresidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro fala na abertura do 24º Congresso do BB

A relação da direção do Banco do Brasil com os funcionários é a pior dos últimos dez anos, marcada por conduta autoritária, prática antissindical e ataques constantes aos direitos dos trabalhadores, perseguição a grevistas, descomissionamentos e demissões por atos de gestão. Para fazer frente a isso, os bancários precisam fortalecer sua organização e unidade nacional e intensificar a mobilização em todo o país.

Essa foi a síntese da abertura do 24º Congresso dos Funcionários do Banco do Brasil, na noite desta sexta-feira 17 no Hotel Holiday Inn, em São Paulo. Organizado pela Contraf-CUT, o encontro termina domingo com a aprovação da pauta específica de reivindicações dos bancários do BB.

"Precisamos intensificar a mobilização e a unidade nacional para fazer frente às agressões do banco e denunciar o projeto da atual direção do BB de dar ao banco uma gestão de banco privado", disse Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT na sessão de abertura.

Cordeiro advertiu que, além dos ataques da direção, os funcionários do BB "têm que dar uma resposta classista e organizada" a outros desafios presentes na conjuntura atual, como o projeto de lei que tramita no Congresso Nacional legalizando a terceirização, desde que praticada por empresas especializadas, a proliferação dos correspondentes bancários e a parceria que está sendo articulada entre o BB e a Oi para precarizar as relações de trabalho e o atendimento à população.

O presidente da Contraf-CUT exortou os trabalhadores do BB "a resgatarem a solidariedade, terem a ousadia de ir além do corporativismo, se transformarem em porta-vozes da esperança e estreitarem a unidade nacional para se contrapor às agressões do banco e lutar pelos interesses da classe trabalhadora que estão ameaçados".

A sessão de abertura começou com a apresentação de um vídeo do astrônomo Carl Sagan sobre a Terra, nosso lar solitário no Universo. 
"O vídeo é para lembrar que estamos na mesma luta, que podemos discutir e divergir, mas fraternalmente", pediu William Mendes, diretor de Formação da Contraf-CUT e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB, fazendo um apelo à unidade.

Ir além do corporativismo
Anfitriã do 24º Congresso, a presidenta do Sindicato de São Paulo Osasco e região, Juvandia Moreira, defendeu a necessidade de o movimento sindical bancário "dialogar com o sentimento dos funcionários que estão nos locais de trabalho sofrendo os ataques do BB".

Juvandia, que também falou em nome da Fetec SP, lembrou que o Sindicato de São Paulo escolheu como lema para comemorar o seu aniversário "90 anos fortalecendo a democracia" porque os bancários "sempre construímos nossa luta indo além dos interesses corporativos e pensando nos interesses da classe trabalhadora. Essa é uma marca da categoria".

Para a presidenta do Sindicato, "a democracia que queremos envolve as lutas gerais da sociedade, o que passa pelo estabelecimento de um novo marco regulatório da comunicação, dominada hoje por seis famílias, e pela reforma política, para retirar do capital o poder que ele tem de eleger a maioria do Parlamento".

Medo e sedução
Presidente do Sindicato dos Bancários de Campinas (SP) e secretário-geral da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb-SP/MS), Jeferson Boava ressaltou que a direção do BB adotou um modelo de ataque e de desrespeito a tudo que foi construído pelo funcionalismo. "Não podemos ficar parados diante dessas demissões, do novo plano de cargos e dos descomissionamentos sumários. O ataque é a melhor defesa. Também temos que atacar", propôs ele, convocando todos à luta. 

Ao fazer uma breve análise da crescente prática antidemocrática e antissindical da diretoria do BB, Eduardo Araújo, diretor do Sindicato dos Bancários de Brasília e representante da Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Centro-Oeste e Norte (Fetec/CN-CUT), disse que o funcionalismo irá fazer frente a todos os ataques. "Com passivo trabalhista de mais de R$ 3 bilhões, cifra que coloca a instituição financeira entre as maiores empresas devedoras do país na Justiça trabalhista, o BB está massacrando seu maior patrimônio: os bancários. Tudo para aumentar seu superávit e gerar caixa", afirmou, lembrando que o banco utiliza o medo e a sedução para enfraquecer a luta coletiva. 

Congresso será resposta aos atos da direção do BB
Em nome da Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados da Bahia e Sergipe (Feeb) Olivan Faustino, que é secretário-geral do Sindicato dos Bancários da Bahia, saudou os participantes conclamando os bancários e bancárias do BB a reagiram contra todos os ataques da atual diretoria da instituição. 

"Precisamos tomar uma atitude contra esse desrespeito que há muito tempo não víamos. Os bancos públicos estão a serviço do povo. Nós podemos escolher o nosso destino. Ou nos unimos ou não vamos a lugar nenhum", frisou. "Precisamos transformar esse congresso numa resposta à altura aos atos praticados pela direção do BB", acrescentou. 

Representando a Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Instituições Financeiras do Rio Grande do Sul (Fetrafi-RS), Julio César Pereira destacou que todas as dificuldades enfrentadas pelo funcionalismo do BB não podem ser empecilhos para a luta dos trabalhadores. "Não basta a gente derrubar a atual ou a próxima diretoria do banco. Precisamos derrotar este modelo de gestão e fazer com que o banco respeite o trabalhador e a população, e deixe de discriminar. Por isso, precisamos construir a unidade para fortalecer a luta. Até a vitória sempre". 

Já para Simara Pereira, representante da Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito em Santa Catarina (Fetec-SC), é o momento dos bancários do BB intensificarem a mobilização para combater a postura intransigente da diretoria da instituição. "Espero todo empenho das delegações para construir uma pauta que represente os bancários do BB". 

Diretora eleita de Planos de Saúde e Relacionamento com Clientes da Cassi, Mirian Fochi também participou da abertura do 24º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil.

Também participaram da abertura do 24º Congresso dos Funcionários do BB Wagner Nascimento, representante da Fetraf Minas; Carlos Eduardo Bezerra Marques, presidente da Fetrafi Nordeste; Carlos Souza, pela Feeb Rio de Janeiro/Espírito Santo; Ana Smolka, representando a Fetec Paraná; e Dirceu Travesso, da CSP/Conlutas. 

Ainda fizeram parte da abertura do Congresso Ann Luck, dirigente da CWA, o sindicato que representa 700 mil trabalhadores de comunicações dos Estados Unidos e Canadá, e Roberto Menezes, diretor da La Bancaria, sindicato da categoria na Argentina.

O 24º Congresso do BB continua neste sábado, com discussão sobre conjuntura a partir de palestra do economista Clemente Gans Lúcio, diretor-técnico do Dieese, seguida de reuniões de grupos para discutir remuneração e condições de trabalho, saúde e previdência, BB e sistema financeiro e organização do movimento.

(José Luiz Frare, da Contraf-CUT, e Rodrigo Couto, do Sindicato de Brasília

16.5.13

Contraf promove curso de formação com especialização em terceirização


A Contraf-CUT em parceria com o Dieese realiza de 3 a 7 de junho o curso de formação sindical com especialização em terceirização, no Hotel Atibainha, em Atibaia (SP), com 25 vagas. As inscrições já estão abertas e devem ser feitas através das federações filiadas.

As entidades devem avaliar a possibilidade de inscrever dirigentes sindicais que se comprometam com a tarefa de estudar o tema, desenvolver conhecimento para o enfrentamento dos problemas oriundos da terceirização, tornarem-se multiplicadores e que possam contribuir em todos os espaços de formulação, debates, representação pública e, principalmente, ações práticas, locais, regionais e nacionais.

Segundo William Mendes, secretário de formação da Contraf-CUT, "o objetivo do curso é formar lideranças sindicais nesta temática, para que tenham a compreensão política e fática dessa forma de organização da produção e gestão de mão de obra, baseada fortemente no conceito de divisão do trabalho e contribuir no enfrentamento para a manutenção e ampliação dos direitos da classe trabalhadora no Brasil, nesse novo cenário mundial".

O curso abordará história, conceitos, impactos da adoção da terceirização pelas empresas e particularmente pelos bancos, abordando as questões legais, normativas existentes e a realidade prática.

"Ao final do curso será traçado conjuntamente um plano de ação sindical para dar conta de todos os desafios apresentados", salienta William.

Formação é indispensável para a luta

A Contraf-CUT tem trabalhado para se aproximar cada vez mais dos sindicatos e oferecer condições para a formação de novas lideranças e para que a ação sindical seja cada vez mais qualificada. Para isso, vem investindo bastante recursos na formação sindical, através de módulos formativos, elaboração de documentos que servem como subsídios, como os Cadernos Contraf-CUT, e mais recentemente com a promoção de cursos de especialização em temas atuais relevantes para a categoria e a classe trabalhadora.

O foco na formação sindical e política dos dirigentes sindicais na estrutura da Contraf-CUT abrange hoje tanto o viés classista quanto o corporativo. O conceito é o de Formação Permanente, seguindo a Política Nacional de Formação da CUT, e busca aliar um percurso formativo que congrega os cursos classistas da Rede Nacional de Formação da CUT com os cursos oferecidos pela própria Confederação, estes mais focados nos desafios enfrentados na organização e representação do ramo financeiro.

"Acreditamos que dirigentes sindicais, homens e mulheres, precisam se especializar para ter intervenção mais incisiva na sociedade, nas disputas de hegemonia que se apresentam, bem como na representação da classe trabalhadora, nos espaços de negociação coletiva, criando assim um processo rico e participativo de construção coletiva", enfatiza William.

O capital é organizado e os banqueiros, mais ainda. "Por isso os trabalhadores devem ter organização ainda maior para atingir seus objetivos", salienta o diretor da Contraf-CUT.

"Neste momento conjuntural, quando o projeto de lei (PL) 4330, do deputado Sandro Mabel (PMDB-GO), tramita rapidamente no Congresso Nacional, é fundamental que as entidades filiadas à Contraf-CUT inscrevam 25 dirigentes sindicais para buscarem especialização na temática da terceirização, a fim de reforçar a mobilização da CUT e da sociedade contra essa forma proposta de regulamentação do trabalho, que é nociva e prejudicial à classe trabalhadora", convoca William.


Fonte: Contraf-CUT

15.5.13

24º Congresso Nacional dos Funcionários do BB começa nesta sexta


  
Encontro vai até domingo e define pauta específica de reivindicações 

A Contraf-CUT, assessorada pela Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil, realiza no próximo fim de semana o 24º Congresso Nacional dos Funcionários do BB, no Hotel Holliday Inn, em São Paulo. A abertura ocorre nesta sexta-feira (17), às 20h, e o encerramento está previsto para domingo (19), às 13h.

Mais de 260 delegados e delegadas estão inscritos. O evento irá definir a pauta específica de reivindicações dos trabalhadores do BB.

Para o secretário de formação da Contraf-CUT e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB, William Mendes, "o 24º Congresso deve ser realizado com muita unidade do funcionalismo para enfrentar os desmandos da direção do BB". 

Ele destaca que "a empresa implantou um plano de funções unilateralmente com graves prejuízos aos trabalhadores e vem assediando de forma absurda por metas abusivas e desviando o papel do banco. Chegamos a um nível insuportável de desrespeito ao funcionalismo e às entidades sindicais". 

Quatro grandes temas em debate no 24º Congresso

1. Remuneração e condições de trabalho
. Carreira: piso, plano de funções, ascensão profissional
. jornada de trabalho nas funções comissionadas
. metas e remuneração variável

2. Saúde e Previdência
. Cassi
. Previ
. Plano odontológico
. Fusesc
. Economus
. Segurança Bancária

3. Organização do Movimento
. Formas de mobilização
. Delegados sindicais e OLT
. Conselho de Usuários da Cassi
. Representante no Conselho de Administração do BB

4. Banco do Brasil e o Sistema Financeiro Nacional (SFN)
. BB e o crédito
. Metas de produtos financeiros
. Terceirização e Correspondentes Bancários
. Internacionalização

Veja a programação do 24º Congresso:

Sexta (17)

18h às 20h - Jantar
20h - Abertura no plenário geral
21h - Votação do regimento interno

Sábado (18)

10h - Análise de conjuntura (Clemente Gans Lúcio, coordenador do Dieese)
11h - Apresentação das teses
13h às 15h - Almoço
15h às 19h - Grupos de trabalho 
1 - Remuneração e condições de trabalho; 
2 - Saúde e Previdência;
3 - Organização do movimento;
4 - Banco do Brasil e o SFN
19h - Jantar

Domingo (19)

10h às 13h - Deliberações finais no plenário geral
13h às 15h - Almoço


Fonte: Contraf-CUT

Resultado bb mostra que assédio e ataque aos direitos é abuso da direção


15/05/2013

Lucro do BB tem alta de 2,2% e atinge R$ 2,5 bilhões no 1º trimestre

  
O Banco do Brasil registrou lucro líquido contábil de R$ 2,557 bilhões no primeiro trimestre, com alta de 2,2% sobre o mesmo período do ano passado. Considerando o resultado ajustado, a instituição teve desempenho em linha com o esperado e lucrou R$ 2,685 bilhões, uma queda de 0,7%.

Analistas consultados pelo Valor esperavam lucro de R$ 2,7 bilhões, estável em relação ao mesmo período de 2012. A expectativa era de que, apesar de apresentar uma expansão do crédito bastante superior aos pares privados, resultados do fundo de pensão de seus funcionários (Previ) poderiam trazer um impacto negativo.

Desconsiderando a Previ, o lucro líquido contábil do banco cresceu 7,8% e alcançou R$ 2,445 bilhões de janeiro a março.

A carteira de crédito ampliada atingiu R$ 592,7 bilhões, após crescer 25,6% em 12 meses e 2,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior. O destaque foi o portfólio para empresas, com expansão de 32,7% em 12 meses, enquanto para as famílias o aumento foi de 26,3%, desconsiderando as operações provenientes do Banco Votorantim e de carteiras adquiridas.

A taxa de inadimplência acima de 90 dias caiu para 2,0% no primeiro trimestre, ante 2,2% no mesmo período do ano passado.

Os três grandes bancos privados já divulgaram seus balanços e mostraram, entre outros destaques, queda dos spreads. Esse foi o fator que mais impediu uma expansão vigorosa do lucro de Itaú Unibanco (1,3%) e Bradesco (4,5%), na comparação com o primeiro trimestre do ano passado, ao lado de mudanças no mix de crédito para linhas de empréstimos menos arriscadas e Selic mais baixa que no início de 2012. No caso do Santander, houve uma queda de 29,6%.


Fonte: Daniela Machado e Karin Sato - Valor

14.5.13

Movimento sindical rebate boletins do bb


Para Sindicato SP, informativos difundido pela direção procuram confundir debate sobre plano de funções
Direção do bb parece o personagem
acima...
São Paulo – A Contraf-CUT emitiu carta aos funcionários do Banco do Brasil para rebater a versão que a direção da instituição tem disseminado, nas últimas semanas, via e-mail, aos trabalhadores do banco.

Nesta sexta-feira 10 o BB difundiu mais um boletim pessoal que afirma que 94,5% dos funcionários aderiram às CCVs (Comissão de Conciliação Voluntária). Um boletim antigo diz que 99% dos bancários que permaneceram nas funções de 8 horas já aderiram ao novo plano de funções.

No entanto, de acordo com o diretor do Sindicato Ernesto Izumi, as informações do banco escondem o verdadeiro debate. "O percentual de adesão à jornada de seis horas é baixo, é o que temos constatado na base. O banco não diz que os funcionários que permaneceram nas oito horas não tiveram alternativa. Ou aderiam ou eram descomissionados”, diz o dirigente.

Além disso, ainda de acordo com Ernesto, o banco não informa que o valor apresentado nas CCVs é baixo perto do que obteriam em ação judicial. “Em São Paulo não haverá CCV, pois a assembleia a rejeitou, é soberana e vale para todos. As ações vão pagar mais que as CCVs. A implantação do plano foi gestão temerária, pois vai aumentar o passivo trabalhista da empresa", explica.

Para Ernesto, o banco está tentando desmoralizar os Sindicatos através dos boletins. “É uma demonstração de que a empresa está preocupada com a rejeição dos funcionários ao plano de funções. A empresa também tem o objetivo de enfraquecer a representação sindical, pois sabe que com sindicato fraco os direitos dos trabalhadores serão menores”, afirma o dirigente.

Plano de funções – De acordo com análise do Sindicato, todos os funcionários do BB foram afetados, direta ou indiretamente, com a imposição do novo plano. Escriturários e caixas, ao serem promovidos para assistentes ou gerentes, ingressarão com valor da função reduzido e sem garantia de reajustes futuros nas respectivas verbas.

Assistentes que optaram pela jornada de seis horas tiveram redução salarial de 16,25% em média, e quem não aderiu, sofreu diminuição do valor recebido pela função. Os gerentes foram prejudicados pela redução do montante pago pela função, atingindo imediatamente comissionados com mais tempo de banco e que tinham zerado a antiga verba CTVF (Complemento Temporário de Valores de Função), com reflexo para todos, pois o que era piso virou teto.

VEJA CARTA DA CONTRAF-CUT

Plano de Funções do BB: patrão diz que funcionários estão contentes. Contraf-CUT e sindicatos dizem que banco prejudica funcionários. Funcionários fazem greve.

E você, em quem acredita?

Os funcionários e os sindicatos reivindicam a instalação da jornada de seis horas para comissionados. O Banco do Brasil implanta para um terço deles, reduz seus salários em 16% e, o mais grave, reduz a remuneração pela função gratificada para míseros 10% do valor do VR. Aproveita o momento para atacar os outros dois terços e reduzir o pagamento pela função de confiança para 30% do VR. O BB implanta tudo à revelia dos sindicatos e coloca a faca no pescoço do trabalhador de 8 horas, impondo: ou aceita ou perde a comissão.

Os funcionários e os sindicatos reagem à maldade do banco, percebendo sua intenção de reduzir salários ao longo do tempo e impedir a incorporação de conquistas importantes como o Adicional por Mérito. Reivindicam abertura de negociações e o banco nega, desprezando o legítimo direito dos trabalhadores de mostrar seu descontentamento.

A direção do banco manda seus prepostos abusarem dos boletins pessoais. Diz que está tudo às mil maravilhas, que todo mundo aceitou o que foi imposto e ameaça punir quem protestar. Mesmo assim, milhares de funcionários em várias localidades decidem parar por 24 horas e dizer à direção do banco que, se os membros da cúpula encastelada em Brasília acreditam que todo mundo está contente, é porque mentem para eles mesmos.

E você, que teve de aderir ao novo plano para não perder a comissão? E você, que tem de ralar feito louco para cumprir ordens e cada dia vender um produto diferente? E você, que vê claramente que a direção do banco não tem estratégia e não sabe aonde quer chegar? E você, que atravessa o portal do inferno todo dia sabendo que o banco vai lhe tirar o couro impiedosamente?

E você, administrador, que recebe vários torpedos e telefonemas todo dia e tem de ficar se controlando para não repassar a crueldade para os funcionários? E você, que faz de tudo para cumprir metas e recebe como prêmio um bonequinho de um determinado superintendente idiota?

Em quem você acredita? Nos executivos do banco, que lhe dizem que está tudo maravilhoso ou nos sindicatos, que dizem que o banco lhe quer prejudicar?

Fonte: Seeb SP Rodolfo Wrolli - 10/5/2013 (com Contraf-CUT e edição do blog)

9.5.13

Agenda de luta: Encontro no Paraguai, Encontro dos Funcis do bb e Comando Nacional



Atividade internacional da Rede UNI Américas. Aqui estamos em frente ao
Banco do Brasil de Assunção - Paraguai. Foto: William Mendes
Cheguei nesta noite de quarta-feira (08) da 9ª Reunião Conjunta de Redes Sindicais de Bancos Internacionais, ocorrida em Assunção - Paraguai. Estivemos lá desde domingo (05) organizando a unidade e a solidariedade de classe em relação aos trabalhadores do setor financeiro. (informo aos companheiro/as que durante esses quatro dias não acessei nem internet nem email)

No sábado (04) participei do encontro aberto do/as funcionário/as do Banco do Brasil da base do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região. O fórum debateu as questões e propostas que serão enviadas ao 24º Congresso Nacional dos Funcionários do bb. Também foi definida a delegação da base que irá ao congresso representando as teses inscritas para o evento. A Chapa do Sindicato ficou com 25 vagas, sendo 22 da Articulação Sindical, 2 da CTB e 1 da Intersindical. A outra chapa do Conlutas ficou com 8 vagas.

Nesta quinta-feira (9) teremos reunião do Comando Nacional dos Bancários na Contraf-CUT SP para tratar da Campanha 2013, além de questões da Caixa Federal, do bb e da mídia de campanha.


(COMENTÁRIO SOBRE A QUINTA - meu dia foi muito corrido: logo pela manhã estive na reunião do/as dirigentes do bb da Fetec SP. Depois saí correndo para a reunião da Articulação Sindical do Comando Nacional. Saí correndo de novo para outra reunião na executiva do meu sindicato. Voltei correndo para a Contraf-CUT para finalizar outra reunião)


Novamente estou finalizando uma sequência de 2 semanas de trabalho ininterruptas sequer nos finais de semana.

Seguimos lutando e organizando a luta!



SOMOS ARTICULAÇÃO SINDICAL!
SOMOS FORTES, SOMOS CUT!

2.5.13

Seminário propõe incluir temática racial na formação dos dirigentes sindicais


Crédito: Dorival Elze - CUT
Dorival Elze - CUTParticipantes querem fortalecer a luta pela igualdade


Com a definição de um plano de ações para aprofundar a luta por igualdade, a CUT encerrou na tarde de terça-feira (30) o seminário que discutiu os 30 anos de luta cutista por equidade. Pela Contraf-CUT, participaram a secretária de políticas sociais, Andrea Vasconcelos, e a secretária de mulheres, Deise Recoaro.

De acordo com a secretária da Combate ao Racismo da CUT, Maria Júlia Nogueira, a prioridade é tirar do papel um projeto de formação que prepare dois mil dirigentes a intervirem sobre a questão racial e ajudem a fazer com que o tema seja incorporado por toda a direção e pelos sindicatos.

A Central também quer discutir com o Ministério da Educação a criação de uma comissão para tratar da efetiva implementação da Lei 10.693/03, responsável por estabelecer a obrigatoriedade do ensino da história e cultura africana e afro-brasileira em todas as escolas até o ensino médio, e debaterá com o Ministério Público a fiscalização do cumprimento da medida. 


História de luta


Na mesa da manhã, dirigentes de diversos ramos trataram de experiências e iniciativas de combate ao racismo e apontaram caminhos num cenário ainda de grande discriminação.

Em 2010, de acordo com as Pesquisas de Emprego e Desemprego (PED) do Dieese, a taxa de desemprego total entre as trabalhadoras negras foi de 16,9%, mais que o dobro da registrada pelos homens não negros (8,1%). O rendimento médio das mulheres negras representava 44,4% dos homens não negros e o dos homens negros 62% dos não negros.

Em sua maioria, os negros ocupam ainda os postos mais precários ou estão na informalidade, em que não há uma remuneração fixa ou qualquer tipo de proteção social.

"A democracia jamais será completa em nosso país enquanto houver racismo. Mas, para combater essa forma de violência, não basta criar uma secretaria, termos uma estrutura física. Precisamos ter políticas e acumular propostas", definiu o secretário de Administração e Finanças da CUT, Quintino Severo.


Chão de fábrica e ausência na gerência 

Do ponto de vista de quem vivencia essa realidade na base, o diretor executivo do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Daniel Calazans, afirmou que nas empresas da região quase não há negros ocupando os cargos de gerência ou chefia. Normalmente, estão no chão de fábrica executando as tarefas mais pesadas.

"Iremos propor nas próximas negociações coletivas a inclusão de uma cota para que o negro ocupe os espaços de poder, chefias, gerências e diretorias.", afirmou Calazans.

Nas instituições financeiras, há mais de uma década os trabalhadores têm denunciado a existência de discriminação contra a população negra, que ocupa em sua maioria cargos onde não há relação com o público.

"Nossa luta é pela instituição de uma política mínima de igualdade de oportunidades para todos/as no sistema financeiro", exaltou a secretária de Políticas Sociais da Contraf-CUT, Andrea Vasconcelos.

Secretário de Políticas Sociais da CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação), Marco Antonio Soares, afirmou que a entidade tem se empenhado em difundir uma cultura antirracista nas escolas e na sociedade em geral. Ele informou que em seminário realizado no mês de março a CNTE incluiu oficialmente a cultura africana no seu programa de formação.

Além de combater o racismo, denunciar qualquer ato de discriminação racial, estimular ações afirmativas e a luta por igualdade de oportunidades, as entidades cutistas têm promovido uma série de ações de solidariedade e intercâmbio com o movimento sindical de outros países.

Secretária de Igualdade Racial da CNM/CUT (Confederação Nacional dos Metalúrgicos), Christiane Aparecida dos Santos, apresentou em sua fala o projeto de formação e organização de mulheres metalúrgicas em Moçambique e salientou que o projeto de solidariedade internacional organizado pela IndustrialAll, CNM, SITIME (sindicato local) e CAW Union (Canadá) contribuiu para a melhoria das condições de trabalho, da formação e organização das mulheres, além de ter fortalecido o sindicato local.


Ir além do olhar domesticado 


Presidente do INSPIR (Instituto Sindical Interamericano Pela Igualdade Racial), o professor Ramatis Jacino, comentou que, ao longo da história, o movimento sindical construiu uma visão da história a partir do olhar dos imigrantes e seus descendentes. Para ele, há um desprezo pelos 350 anos de organização dos escravos, que foram os responsáveis pela primeira greve em 1857 com propostas que buscavam a melhoria das condições de vida e que culminou numa repressão sangrenta.

"O movimento sindical precisa reconhecer essa herança para se fortalecer ainda mais, tendo compreensão do presente e planejando o futuro mais próximo da realidade brasileira, mais negra, mais mulher, mais combativa e integrada a verdadeira realidade do nosso povo, onde o movimento dos escravos deu efetivamente origem as organizações das quais somos herdeiros hoje", salientou.

Ao final, com a presença de Maria Julia Nogueira, do secretário da Juventude, Alfredo Santos Junior, e da diretora Executiva, Rosana Sousa, foi realizada uma homenagem a companheiros e companheiras que colaboraram na construção da CUT e na organização da luta pela equidade racial.

Ex-presidente da CUT e deputado federal, Vicentinho; ex-coordenador da Comissão Nacional Contra a Discriminação Racial da CUT, Marcos Benedito; a professora Cida Bento, do Centro de Estudo das Relações de Trabalhos e Desigualdades; e o representante da Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen), Flavio Jorge receberam uma placa com os dizeres 'A esperança não murcha, ela não cansa, também como ela não sucumbe a crença. Vão-se sonhos nas asas da descrença, voltam sonhos nas asas da esperança' - Augusto dos Anjos.


Educar contra o preconceito


No período da tarde, a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego), professora Iêda de Souza, destacou o papel do educador na formação de cidadãos que estejam preparados para combater a desigualdade.

"As crianças muitas vezes trazem uma situação de preconceito e para quebrar isso precisamos ter a família junto, a transformação também deve incluir os pais. Um professor bem preparado é capaz de fazer um trabalho coletivo e colocar a turma para pensar sobre algo que só nos leva ao afastamento e à separação, No caminho inverso, formamos agentes transformadores e empoderados para mudar essa história", explicou.

Dirigente da Confederação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços (Contracs) e do Sindicato das Trabalhadoras Domésticas de Campinas, Regina Teodoro, fez um resgate da luta da categoria para conquistar a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 66/2012, que garante aos empregados domésticos o mesmo direito dos demais trabalhadores.

"Por 10 anos apresentamos uma pauta de reivindicações ao sindicato patronal, que sequer respondeu. Muita gente desistiu pelo caminho, mas nós acreditamos e foi essa pauta que serviu de base para a OIT (Organização Internacional do Trabalho) recomendar a Convenção 189, em 2001, que o Brasil se comprometeu a ratificar e ainda não fez porque precisava aprovar a PEC", lembrou.

O próximo passo, acredita, é investir na formação das trabalhadores para que entendam a nova legislação e possam cobrar seus direitos.

Criar uma agenda para a Lei 10.693/03 - A Lei 10.693/03 é um grande avanço ao estabelecer a obrigatoriedade do ensino da cultura afro-brasileira e africana nas escolas, mas é necessário criar uma agenda de mobilização para que seja efetivada. Isso foi o que defendeu o coordenador de Educação e Políticas Públicas do Centro de Estudo das Relações de Trabalho e Desigualdades, Antonio Carlos Malachias, o Billy.

Para ele é preciso também discutir as diretrizes curriculares no âmbito das diversas instituições que compõem a sociedade brasileira.

"Precisamos parar de ver a educação como problema e entender como solução. Não dá para ensinar cultura afro-brasileira e africana apenas sob parâmetros eurocêntricos. Mas isso exige que criemos mobilização em torno da lei, da diversidade e uma agenda de lutas", ressaltou.


Fonte: Luiz Carvalho e William Pedreira - CUT